A VIABILIDADE FINANCEIRA DA UTILIZAÇÃO DE ENERGIA SOLAR EM RESIDÊNCIAS

  • Gilson Rogério Marcomini IFSP Campus São João da Boa Vista Faculdade de Engenharia Agrícola - UNICAMP

Resumo

A energia solar, como o próprio nome diz, tem origem da radiação do sol. Sendo uma energia limpa e inesgotável é considerada uma energia eficiente. Em 1839, Edmond Becquerel descobriu que alguns tipos de matérias quando expostos a luz obtém correntes elétricas. Isso acontece devido as células fotovoltaicas, que por sua vez, contém um material semicondutor, o que normalmente é empregado o silício. Com isso várias células juntas formam correntes elétricas. Então a partir deste ponto desenvolveu-se sistemas solares que produzem energia. Muitos países adotaram esses sistemas em residências. Em 2012 a ANEEL aprovou um regulamento no Brasil permitindo a instalação do sistema solar nas casas, com isso cresceu grandemente as instalações. O objetivo deste trabalho é analisar a viabilidade financeira dos sistemas grid-tie (conectado à rede) e off-grid (sem conexão à rede. Após as pesquisas e a análise dos resultados obtidos foi concluído que os sistemas grid-tie é viável em todos os casos obtidos sendo assim o mais eficiente, já o off-grid não é viável pois o consumidor sairia em prejuízo, sendo então que esse sistema é viável em áreas mais remotas.

Biografia do Autor

Gilson Rogério Marcomini, IFSP Campus São João da Boa Vista Faculdade de Engenharia Agrícola - UNICAMP
Graduado em Administração de Empresas - Gestão de Negócios pela Associação de Escolas Reunidas - ASSER (2005). Exerceu, entre 1997 e 2008, a função de administrador de empresas produtoras de cafés especiais, na rotina diária de administração destas empresas. Em 2006, concluiu o curso Lato Sensu em Gestão Agroindustrial, pela Universidade Federal de Lavras. Em 2008 concluiu o Mestrado em Sistemas de Produção na Agropecuária, na UNIFENAS (Alfenas, MG), sob dissertação com o Título "ASPECTOS ECONÔMICO-FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE CAFÉ CONVENCIONAL E CAFÉ ESPECIAL", onde estudou os retornos financeiros aos produtores de café convencional e especial. Atualmente é professor efetivo no Instituto Federal de Educação de São Paulo, Campus de São João da Boa Vista, SP. Atua em linhas de pesquisa relacionados a planejamento, estratégia, marketing, gestão de pessoas e empreendedorismo, bem como sobre estudos de gestão aplicados à cafeicultura.
Publicado
2019-12-04
Edição
Seção
Artigos Multidisciplinares