Tá, mas e o relacionamento interpessoal, Sr. SARS-CoV2? A escola não é só conteúdo!

  • Tassio Acosta Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
  • Paula Campi Locatelli de Almeida Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Educação à Distância, EaD, Coronavírus, Covid-19

Resumo

O presente trabalho busca analisar o momento de pandemia atrelado a educação a distância para além do processo educativo em si e como ele impacta diretamente no cotidiano das crianças a partir da ausência do contato físico e do relacionamento interpessoal. O olhar deste trabalho está centrado dentro da nossa própria casa, onde as crianças, uma de 11 anos e outro de 6 anos, também estão vivenciando esta nova realidade. Fez-se uso da metodologia de análise dos discursos, a partir das acepções do filósofo francês Michel Foucault, para compreender os atravessamentos subjetivos vivenciados na situação atual. Conclui-se a existência de um esforço por meio da instituição escolar e dos professores em promover uma prática pedagógica possível, mas que concomitantemente há uma significativa perda formativo-relacional gerando uma instabilidade entre a saudade da escola e dos amigos e a manutenção da crítica ao excesso de conteúdos passados, tanto à época do ensino presencial como no contexto pandêmico atual.

Biografia do Autor

Tassio Acosta, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Paula Campi Locatelli de Almeida, Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Farmacologia pela Universidade de São Paulo (USP)

Referências

Acosta, T. (2016). Morrer para nascer travesti: performatividades, escolaridades e a pedagogia da intolerância. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, São Paulo, Brasil.

Acosta, T. (2016). Gêneros e sexualidades na escola em tempos de conservadorismo censor policialesco. In I. Dickmann [Org.]. Rumos da Educação, São Paulo: Dialogar, 211-227.

Al-Bari, A. A. (2015). Chloroquine analogues in drug discovery: new directions of uses, mechanisms of actions and toxic manifestations from malaria to multifarious diseases. J Antimicrob Chemother. 70 (6),1608-21.

Butler, J. (2015). Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Ed. Civilizações Brasileiras.

Chatre, C., Roubille F., Vernhet, H., Jorgensen C., & Pers, Y. M. (2018). Cardiac complications atributed to Chloroquine and hydroxychloroquine: a systematic review of the literature. Drug Saf., 41(10), 919-931.

Costedoat-Chalumeau, N., Dunogué B., Leroux G., Morel N., Jallouli M., Le Guern V., Piette J.C., Brézin A.P., Melles R.B., & Marmor M.F. (2015). A critical review of the effects of hydroxychloroquine and chloroquine on the Eye. Clin Rev Allergy Immunol. 49(3), 317-26.

Foucault, M. (2010). Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Editora Martins Fontes.

Gallo, S. (2012). Governamentalidade democrática e ensino de filosofia no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), 42, 48 - 64.

Gallo, S. (2015). “O pequeno cidadão”: sobre a condução da infância em uma governamentalidade democrática In H. Resende (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 329-343.

Mbembe, A. (2016). Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios, 32.

Anvisa. Resolução nº 351/2020. Recuperado em 15 mai. 2020 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/portaria/Resolucao%20n%C2%BA%20351-ANVISA.htm

Publicado
2021-03-08