Grounded Theory e os Estudos de Linguagem: uma releitura

Palavras-chave: Grounded theory; Estudos de Linguagem; Releitura.

Resumo

Em tom ensaístico, almejo com este texto obsequiar aos leitores com uma releitura crítica e reflexiva dos princípios norteadores da Grounded Theory e suas potencialidades no campo dos Estudos de Linguagem. Visto que a teoria em tela se arroga como sendo neutra sob os prismas ontológico e epistemológico, penso que um alinhamento com os Estudos de Linguagem pode contribuir para uma melhor (ou outra!?) compreensão do fenômeno que nos propomos a investigar com o fito de aliviar as dores sociais da contemporaneidade. Entendo que toda pesquisa social nasce de uma inquietação, um incômodo, da constatação de dores individuais ou coletivas que operam na tessitura social e que demandam uma intervenção imediata. Enquanto pesquis-a-dor ontológica e socialmente orientado, meu anseio é contribuir para o alívio dessas dores ou “privações sofridas [a fim de] produzir leveza de pensamento e modificar a precariedade da existência” dos atores envolvidos em nossos loci de pesquisa, cf. Rojo (2013, p. 65).

Biografia do Autor

Rubens Lacerda de Sá, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Doutorando em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente, pesquisador e coordenador da Editora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Líder do Grupo de Pesquisa GIEL/CNPq e pesquisador do Centro Latino-Americano de Estudos em Cultura (CLAEC).

Referências

ALVES, F. Tradução, cognição e tecnologia: investigando a interface entre o desempenho do tradutor e a tradução assistida por computador. In: ROCHA, M.; SPONHOLZ, I.; GERBER, R. M. (Orgs.) Tradução assistida. Cadernos de Tradução, DLLE/UFSC, Florianópolis, Brasil. v. 2, n. 14, 2004, pp. 185-209.
BARTHES, R. Elements of semiology. New York: Hill and Wang, The Noonday Press [tradução do original francês, 1964], 1967.
BAUER, M. W.; AARTS, B. A construção do corpus: um Princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Orgs.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 11a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
BERBER SARDINHA, A. P. Linguística de Corpus: histórico e problemática. D.E.L.T.A., v. 16, nº 2, 2000, pp. 323-367.
BRITO, G. S. Linguistas e computadores: que relação é essa? Working Papers em Linguística. UFSC, nº 4, 2000, pp. 8-23.
CRESSWELL, J. W.; PLANO CLARK, V. L. Pesquisa de métodos mistos. 2.ed. Porto Alegre: Penso, 2013.
DUCHSCHER, J. E. B.; MORGAN, D.; Grounded theory: reflections on the emergence vs. forcing debate. Journal of Advanced Nursing, 48(6), 2004, pp. 605-612.
FÍGARO, R. A triangulação metodológica em pesquisas sobre a comunicação no mundo do trabalho. Revista Fronteiras – Estudos Midiáticos. 16(2), maio/agosto, 2014, pp. 124-131.
FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.
GADAMER, H. G. Verdade e método. Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.
GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. New Jersey: Aldine Transactions, 1967/2006.
____________. Theoretical sensitivity: advances in the methodology of grounded theory. Mill Valley, CA: The Sociology Press, 1978.
____________. Emergence vs. forcing: basics of grounded theory analysis. Mill Valley, CA: The Sociology Press, 1992.

____________. The grounded theory perspective: its origin and growth. Mill Valley, CA: Sociology Press, 2016.
JANESICK, V. J. The dance of qualitative research design: metaphor, methodolatry, and meaning. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of qualitative research. CA: Sage, Thousand Oaks, 1994.
KELLE, U. Análise com auxílio de computador: codificação e indexação. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Orgs.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 11a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.
LATORRE, A.; RINCÓN, D.; ARNAL, J. Bases metodológicas de la investigación educativa. Barcelona: Ediciones Experiencia, 2003.
MARTINS, G. A. Manual para elaboração de monografias e dissertações. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1994.
MATOS, S. Linguística e informática: perspectivas do uso do computador em Linguística Aplicada e descritiva. Revista FLUP. Universidade do Porto, Porto, Portugal, maio, 1989, pp.117-133.
McCULLOCH, G. Documentary research in education, history and the social sciences. London: Routledge Falmer, 2004.
MINAYO, M. C. S.; MINAYO-GÓMEZ, C. Difíceis e possíveis relações entre métodos quantitativos e qualitativos nos estudos de problemas de Saúde. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. M. G.; GOMES, M. H. A. (Orgs.). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em Ciências Sociais e Saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.
MISSAGIA, J. A Hermenêutica em Heidegger e Gadamer: algumas confluências e divergências. Revista de Filosofia Griot. Amargosa, Bahia, v.6, n. 2, dezembro de 2012, pp. 1-13.
NICO, L. S.; BOCCHI, S. C. M.; RUIZ, T.; MOREIRA, R. S. A Grounded Theory como abordagem metodológica para pesquisas qualitativas em odontologia. Ciência & Saúde Coletiva, 12(3), 2007, pp. 789-797.
OLIVEIRA, M. A. Reviravolta linguístico-pragmática da Filosofia contemporânea. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
ROJO, R. Caminhos para a LA: política linguística, política e globalização. In: NICOLAIDES, C. et al. Política e Políticas Linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores/ALAB, 2013, pp. 63-78.
SÁ, R. L. Imigração hispano-americana em São Paulo, (des)construção identitária e inclusão dos (in)visíveis: um olhar da Linguística Sistêmico-Funcional. In: III Workshop Systemic Across Languages (SAL). Brasília: Universidade de Brasília, UnB, 2014.
____________. Içando as velas: uma jornada pro Educ-ação. In: ____________.; et al (Orgs.). Educação crítica de profissionais da linguagem para além-mar: políticas linguísticas, identidades, multiletramentos e transculturalidade. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016.
____________. Imigrantes hispano-americanos, (inter)culturalidade crítica e língua portuguesa. Revista Estudos Acadêmicos de Letras. UNEMAT. v. 10, nº 01, Julho, 2017, pp. 63-73.
SCOTT, M. Wordsmith tools. Oxford University Press, 2012.
SOUSA, D. P. Vaidade e academicismo: fronteiras epistemológicas. In: V Encontro do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Linguagem (GIEL/CNPq): Tabus acadêmicos. Departamento de Educação, Universidade Federal de Lavras. 5. ed., 19/maio. Lavras, MG: DED/UFLA, 2017.
____________. Aquisição dialógica da linguagem: palavra bakhtiniana. 115 f. Dissertação (Mestrado). Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso, UFMT, 2014.
STRAUSS, A. L.; CORBIN, J. (Eds). Basics of qualitative research: grounded theory, procedures and techniques. Newbury: SAGE, 1990.
____________. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing grounded theory. London: SAGE Publications; 1998.
STRECK, L. L. Hermenêutica jurídica em crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1999.
THORNDIKE, E. L. Teacher’s wordbook. New York: Columbia Teachers College, 1921.
TOWNS, D. P.; SERPELL, Z. Successes and challenges in triangulating methodologies in evaluations of exemplary urban schools. In: THOMAS, V. G.; STEVENS, F. I. (Eds.). Talent development framework. Hoboken: Wiley Periodicals, 2004.
Watchtower, Bible & Tract Society of New York, Inc. Ajuda para navegar num vasto oceano. Revista A Sentinela, 1/Out. Brooklyn, Nova Iorque, E.U.A, 2006, p. 32.
WEST, M. A general service list of English words. London: Longman, 1953.
WEYERS, M. L.; STRYDOM, H.; HUISAMEN, A. Triangulation in social work research: The theory and examples of its practical application. Social Work/Maatskaplike Werk, v. 44, n. 2, 2011, pp. 207-222.
ZAPPELLINI, M. B.; FEUERSCHÜE, S. G. O uso da triangulação na pesquisa científica brasileira em Administração. Administração: Ensino e Pesquisa. Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, abril-junho de 2015, pp. 241–273.
Publicado
2019-07-12