Histórias que contamos e sensibilizamos

Educação intercultural e linguística em escolas na fronteira

  • Laura Janaína Dias Amato Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA)
  • Camila Tunubala Thochez Universidade Federal da Integração Latino-Americana
Palavras-chave: Fronteira, Educação intercultural, Sensibilização linguística

Resumo

Estar na fronteira é estar em constante fluxo entre culturas e línguas, havendo a presença de uma diversidade linguística e cultural constante. Contudo, ao analisarmos a área educacional, Foz do Iguaçu não observa em suas práticas e em seus documentos questões multi e interculturais e plurilinguísticas próprias do contexto em que estão inseridas. Tentando suprir esta lacuna, o projeto Fronteira Intercultural visa apresentar aspectos culturais de países hispano-americanos, em especial do Mercosul, através da língua espanhola, para crianças do Ensino Fundamental I. Executado desde 2014, já atendeu mais de mil crianças de três escolas municipais. A partir da contação de histórias as crianças são convidadas a refletir sobre sua própria cultura e assim não só saber sobre si, mas também conhecer e observar a diversidade presente no seu contexto social.

Biografia do Autor

Laura Janaína Dias Amato, Universidade Federal da Integração Latino-americana (UNILA)

Possui mestrado em Letras pela Universidade Federal do Paraná (2005) e doutorado em Letras pela Universidade Federal do Paraná (2012). Atualmente é professora adjunto IV da Universidade Federal da Integração Latino-Americana e pesquisadora associada do Centro Latino-Americano de Estudos da Cultura. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Linguística Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: educação intercultural, processos identitários, formação de professores em línguas, letramento crítico, teoria pós-colonial, teoria decolonial. Mãe do Renan e da Manuela, esteve em licença maternidade em 2009 e 2015.

Referências

BRASIL. Portaria no - 125, de 21 de março de 2014. Brasília: Ministério da Integração. Publicado no DOU Nº 56, segunda-feira, 24 de março de 2014, seção 1. http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=45&data=24/03/2014 acesso em 09 de abril de 2020.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 1989.

FLEURI, Reinaldo Matias, (2001). Desafios à educação intercultural no Brasil. Educação, Sociedade e Culturas, nº 16, p. 45-62.

GARCÍA, Ofelia. Education, multilingualism and translanguaging in the 21st century. In: Ajit Mohanty, Minati Panda, Robert Phillipson and Tove Skutnabb-Kangas (eds). Multilingual Education for Social Justice: Globalising the local. New Delhi: Orient Blackswan, pp. 128-145, 2009.

INSTITITO Brasileiro de Geografia e Estatística. Municípios de faixa de fronteira – 2018. https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/estrutura-territorial/24073-municipios-da-faixa-de-fronteira.html?=&t=o-que-e acesso em 09 de abril de 2020.

JALIL, Samira Abdel. Línguas, identidades culturais, migrações e narrativas: um estudo sobre falantes de árabe em Foz do Iguaçu, Doutorado em Linguística Aplicada. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Brasil, 2018.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO; Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología. Modelo de ensino comum de zona de fronteira, a partir do desenvolvimento de um Programa para a educação intercultural, com ênfase no ensino do português e do espanhol. Brasília e Buenos Aires, março de 2008. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Escolafronteiras/doc_final.pdf acesso em 10 de abril de 2020.

MORELLO, Rôsangela. Censos nacionais e perspectivas políticas para as línguas brasileiras. R. bras. Est. Pop., Rio de Janeiro, 2016.

OLIVEIRA, Nara. Foz do Iguaçu Intercultural. Cotidiano e Narrativas da Alteridade. Foz do Iguaçu: Editora Epígrafe, 2012.

PEREIRA, D. A. Cartografia imaginária da tríplice fronteira. 1. ed. São Paulo: Dobra Editora, 2014.

RIBEIRO, Simone Beatriz Cordeiro. Acolhimento intercultural e ensino de português como língua adicional nas escolas municipais de Foz do Iguaçu. DOMÍNIOS DE LINGU@GEM, v. 12, p. 940-973, 2018.

SILVA, T. T. Currículo e cultura: uma perspectiva pós-estruturalista. Educação em Debate (CESA/UFC) , Mauá (RJ), v. 1, n.0, p. 36-41, 1998.

TALLEI, Jorgelina Ivana. A dimensão política e intercultural na formação do professor em escolas de fronteira. Tese de doutorado em Educação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2019.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CORDEIRO, Glaís Sales. Refletir sobre as línguas para aprendê-las: uma perspectiva de ensino-aprendizagem de inglês por meio de um gênero textual para (na) educação infantil. Revista MOARA, n.42, p.45-63, jul./dez. 2014, Estudos Linguísticos.
Publicado
2020-09-16