Quem ama não mata - violência de gênero e feminicídio no contexto da cultura machista

Autores

  • Luize Maria Pacheco de Carvalho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia
  • André Valente de Barros Barreto Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

DOI:

https://doi.org/10.47734/rce.v2i2.1678

Palavras-chave:

Violência de gênero, Feminicídio, Machismo, Cultura

Resumo

O termo feminicídio entrou no vocabulário brasileiro há pouco tempo sinalizando a gravidade de um problema nada novo, a saber, a violência de gênero, termo que abarca um amplo conjunto de violências física, psicológica e sexual, e que encontra no feminicídio sua expressão mais trágica e final. Os números são assombrosos, embora nem sempre confiáveis, seja por razões metodológicas, seja por razões culturais. Por isso, é difícil sabermos ao certo quantas mulheres são vítimas de feminicídio no país atualmente. Esse triste cenário, que, segundo alguns dados coletados, parece crescer nos últimos anos, também reflete uma cultura machista que se encontra na base de identidades sociais masculinas incapazes de reconhecer a mulher como pessoa dotada de liberdade e autonomia. A presente pesquisa tem por objetivo investigar o feminicídio no contexto do problema da violência contra a mulher, coletando e analisando os números oficiais que o quantificam, e o situando no contexto da cultura machista. Afinal, como qualquer problema social, a violência de gênero não envolve apenas um de seus lados, nesse caso a mulher; envolve também o outro, o homem. Ele é parte ativa do problema. Precisa também ser parte do seu enfrentamento.

 

Abstract

The term feminicide entered the Brazilian vocabulary a short time ago signaling the seriousness of a problem that is nothing new, namely, gender violence, a term that encompasses a wide range of physical, psychological and sexual violence and that is found in feminicide its most tragic and final expression. The numbers are amazing, although not always reliable, either for methodological or cultural reasons. This sad scenario, which seems to have grown in recent years, alsoreflects a macho culture that is based on male social identities that are incapable of recognizing women as persons endowed with freedom and autonomy. This research aims to investigate feminicide in the context of the problem of violence against women, collectingofficial figures that quantify, and placing it in the context of the macho culture. After all, like any social problem, gender violence does not involve only one of its sides, in this case women; it also involves the other, men. He is an active part of the problem. It also needs to be an active part of its confrontation. 

Keywords: Gender violence; Feminicide; Machism; Culture.

Referências

AGÊNCIA BRASIL. “Casos de feminicídio crescem 22% em 12 estados durante pandemia: números de violência contra a mulher caíram em apenas três estados”. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-06/casos-de-feminicidio-crescem-22-em-12-estados-durante-pandemia. Acesso em: 03 set. 2020.

BUENO & LIMA (Coord.). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2019.

CERQUEIRA & BUENO (Coord.). Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 2019.

CERQUEIRA & BUENO (Coord.). Atlas da violência 2020. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), 2020.

COMISSÃO DE DEFESA DOS DIREITOS DA MULHER (CDDM). Mapa da violência contra a mulher 2018. Brasília: Câmara dos Deputados, s/d.

CORTEZ, Miriam B. “O machismo fragiliza todo mundo”. Entrevista com Mirian Béccheri Cortez, 2019. Disponível em: https://radis.ensp.fiocruz.br/index.php/home/entrevista/o-machismo-fragiliza-todo-mundo. Acesso em: 10 out. 2020.

COUTO & SCHRAIBER. “Machismo hoje no Brasil: uma análise de gênero das percepções dos homens e das mulheres” In VENTURI & GODINHO (org.). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/ Edições Sesc, 2013. p. 47-61.

DRUMONT, M.P. “Elementos para uma análise do machismo”. Rev. Perspectivas, São Paulo, v. 3, 1980. p. 81-85.

ENGEL, Cíntia Liara. A violência contraa mulher. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), s/d.

GONZALEZ, Débora de Fina. “Entre público, privado e político: avanços das mulheres e machismo velado no Brasil”. In VENTURI & GODINHO (Org.). Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado: uma década de mudanças na opinião pública. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/Edições Sesc, 2013.

ISTO É DINHEIRO. “Violência contra a mulher aumenta em meio à pandemia; denúncias ao 180 sobem 40%”. Disponível em: https://www.istoedinheiro.com.br/violencia-contra-a-mulher-aumenta-em-meio-a-pandemia-denuncias-ao-180-sobem-40/. Acesso em: 03 set. 2020.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. “Laços perigosos entre machismo e violência”. Rev. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, vol.10, Jan./Mar de 2005. p. 23-25.

PASINATO, Wânia. “’Femicídios’ e as mortes de mulheres no Brasil”. Rev. Cadernos Pagu/UNICAMP, Campinas, n. 37, julho-dezembro de 2011. p. 219-246.

PASINATO, Wânia. (Coord.). Diretrizes Nacionais –Feminicídio: investigar, processar e julgar. Brasília: ONU Mulheres/Brasil, 2016.

SOUZA, Suzanny. “O feminicídio e a legislação brasileira”. Rev. Katálysis, Florianópolis, v.21, n.3, set/dez. 2018, p.534-543.

SZAPIRO, Ana Maria. “Percursos do feminino: um estudo sobre a ‘produção independente’ dos anos sessenta”. Tese de Doutorado, Departamento de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1998.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: FLACSO, 2015.

WELZER-LANG, Daniel. “A construção do masculino:dominação das mulheres e homofobia”. Rev. Estudos Femininos, vol.9, no. 2, Santa Catarina: Editora UFSC, 2001. p.460-482.

Downloads

Publicado

05/02/2022

Como Citar

CARVALHO, L. M. P. de; BARRETO, A. V. de B. Quem ama não mata - violência de gênero e feminicídio no contexto da cultura machista. Revista Ciência em Evidência , [S. l.], v. 2, n. 2, p. 146–167, 2022. DOI: 10.47734/rce.v2i2.1678. Disponível em: https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/cienciaevidencia/article/view/1678. Acesso em: 28 mar. 2023.