Diálogos entre o ensino de idiomas e de artes no contexto do projeto Espanglish

  • Márcia Sepúlvida do Vale Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)
  • Roberto Lima Sales Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)
  • Graziani França Claudino de Anicézio Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Tocantins (IFTO)
Palavras-chave: Educação Colaborativa, Dialogismo, Arte, Língua Estrangeira

Resumo

Esse estudo busca compreender o potencial da metodologia colaborativa como uma estratégia de ensino-aprendizagem dialógica e suas implicações para o ensino de idiomas e de arte. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, tendo como contexto de investigação o Projeto Espanglish e como sujeitos investigados estudantes que cursam o ensino médio. Adotamos como referencial teórico os estudos de Bakhtin, de Freire e de outros autores na área da Educação Colaborativa. Os resultados apontam a potencialidade dessa metodologia em possibilitar o intercâmbio de saberes, a compreensão de outras culturas e a promoção do ensino-aprendizagem aberto ao mundo e a diversidade.

Biografia do Autor

Márcia Sepúlvida do Vale, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)

Mestre em Língua e Literatura pela Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Roberto Lima Sales, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)

Mestre em Educação pela Universidade de Brasília (UnB)

Graziani França Claudino de Anicézio, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Tocantins (IFTO)

Mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Referências

Aparici, R. & Acedo, S. (2010). Aprendizagem colaborativa e ensino virtual: uma experiência de universidade à distância. In M. Silva; L. Pesce & A. Zuin (Orgs.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak Ed., 137-156.

Bagetti, S. (2015). Mediação pedagógica no ensino-aprendizagem colaborativo do sistema E-Tec Brasil. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil.

Bakhtin, M. (2009). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal. (6a ed., P. Bezerra, Trad.), São Paulo: Martins Fontes.

Brant, J. (2008). O lugar da educação no confronto entre colaboração e competição. In N. L. Pretto & S. A. Silveira (Orgs.). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: Editora EDUFBA.

Brasil (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

Brasil (2018). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular/BNCC: Educação é a Base. Homologada em 14 de dez.

Byram, M. & Fleming, M. (2001). Perspectivas Interculturales en el aprendizaje de idiomas. Madrid: Cambridge University Press.

Figueiredo, F. J. Q. (2006). A aprendizagem colaborativa de línguas: algumas considerações conceituais e terminológicas. In F. J. Q. Figueiredo (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: Editora da UFG, 11-45.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. (40a ed.), Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (2011a). Educação como prática para a liberdade. (14a ed.), Rio de Janeiro: Paz e Terra,

Freire, P. (2011b). Pedagogia do oprimido. (50a ed.), Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. (6a ed.), São Paulo: Atlas.

Kraviski, E. R. A. (2007). Estereótipos Culturais: o ensino de espanhol e o uso da variante argentina em sala de aula. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná, Brasil.

Lima, M. & Pinho, I. C. (2007). A tarefa colaborativa como estímulo à aprendizagem de língua estrangeira. In M. Lima & R. M. Graça (Orgs.). Ensino e aprendizagem de língua estrangeira: relações de pesquisa Brasil/Canadá. Porto Alegre: Armazém Digital, 87-101.

Morin, E. (2008). Introdução ao pensamento complexo. (5a ed.), Lisboa: Stória Editores.

Lopes, D. V. (2010). Grupos de aprendizagem cooperativa e o ensino da escrita em língua inglesa. In V. Moura, M. C. Damianovic & V. Leal (Orgs.). O ensino de línguas: concepções e práticas universitárias. Recife: Ed. UFPE, 47-61.

Pretto, N. L. (2013). Reflexões: ativismo, redes sociais e educação. Salvador: EDUFBA.

Santos, E. M. (2004). Abordagem Comunicativa Intercultural: uma proposta para ensinar e aprender língua no diálogo de culturas.Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil.

Santos, H. S. (2002). O papel de estereótipos e preconceitos na aprendizagem de línguas estrangeiras. In Congreso Brasileño de Hispanistas. São Paulo: Anales da Associação Brasileira de Hispanistas.

Publicado
2021-03-08