A Linguística Aplicada como espaço de (des)territorialização do saber

  • Manuel Álvaro Soares dos Santos Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Palavras-chave: Produção de conhecimentos, Linguística Aplicada, Poder

Resumo

Neste ensaio nos propomos a discutir e problematizar o modo de produção de conhecimento, tendo como problemática central o paradigma positivista, haja visto que sua concepção de pesquisa disseca as relações sociais, objetificando os sujeitos envolvidos no processo. Para isso, tal paradigma defende a neutralidade do pesquisador diante do objeto investigado, coisificando os sujeitos de pesquisa como se eles fossem/estivessem deslocados da história, da sociedade e das relações de poder. Diante disso, nos contrapomos a este paradigma propondo a Linguística Aplicada como espaço de (des)territorialização do saber, cuja envergadura epistemológica visa compreender o processo de pesquisa sempre situado em narrativas sócio-históricas, ou seja, compreendemos que a Linguística Aplicada opera em suas pesquisas, desterritorializando saberes, criando níveis horizontais de investigação, qualificando saberes marginalizados e situando os sujeitos na trama da história.

Biografia do Autor

Manuel Álvaro Soares dos Santos, Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Mestre em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Referências

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal. (6 ed., P. Bezerra, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Damianovic, M. C. (2007). O linguista aplicado: de um aplicador de saberes a um ativista político. Revista Linguagem & Ensino, 8(2), 181-196.

Evenser, L. (1998). A Linguística Aplicada a partir de um arcabouço com princípios caracterizadores de disciplinas e transdisciplinas. In I. Signorini, & M. Cavalcanti (Orgs.). Linguística Aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas, Campinas, SP: Mercado de Letras, 73-88.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. (3a ed., J. E. Costa, Trad.), Porto Alegre: Artmed.

Foucault, M. (2017). Microfísica do poder. (6a ed., R. Machado, Trad.), São Paulo: Paz e Terra.

Canclini, N. G. (2015). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. (4a ed., P. H. Cintrão & A. R. Lessa, Trad.). São Paulo: EDUSP.

Hall, S. (2015). A identidade cultural na pós-modernidade. (12a ed., T. Tadeu & G. Lopes, Trad.), Rio de Janeiro: Lamparina.

Ludke, M., André, M. (2017). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. (2a ed.), Rio de Janeiro: E.P.U.

Moita-Lopes, L. P. (2006). Uma Linguística Aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como Linguista Aplicado. In L. P. Moita-Lopes (Org.). Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 13-44.

Pennycook, A. (1998). A Linguística Aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica. In I. Signorini, & M. Cavalcanti (Orgs.). Linguística Aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 21-46.

Ricardo-Bortoni, S. M. (2008). O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial.

Santos, B. S. (2018). Um discurso sobre as ciências. (8a ed.), São Paulo: Cortez.

Publicado
2021-03-08