A afetividade e seu desenvolvimento na educação infantil

Reflexões linguístico-dialógicas

  • Wilder Kleber Fernandes de Santana Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
  • Márcia Rejane da Silva Junqueira Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
  • Rafael Marques Garcia Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Lucas Francelino de Lima Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Palavras-chave: Afetividade, Psicologia da Educação, Educação infantil

Resumo

Foi nosso objetivo analisar de que maneira as professoras da creche trabalham com as crianças, buscando responder à seguinte questão: de que forma os alunos de uma creche em Pombal/PB são estimulados a explorar os campos da afetividade no processo de aprendizagem? Para tanto, realizamos um estudo teórico-analítico sobre a influência da afetividade nos processos de ensino e aprendizagem, averiguando como algumas professoras da educação infantil constroem relações afetivas em suas atividades cotidianas, espontâneas ou intencionais. Utilizamos para tal questionários semiabertos, aplicados em quatro professoras, posteriormente analisados pela técnica de análise de discurso. Inferimos que a relação professor/aluno das depoentes é pautada tanto pelas condições físicas de um espaço capaz de atender as necessidades da criança, como também, pela capacidade de estabelecer diálogos, desenvolver a empatia para melhor compreender a linguagem emocional da criança e afetá-la sem as marcas de uma relação autoritária e coercitiva, mas sim pelas marcas da alegria e entusiasmo que criam condições para a criança se desenvolver mais rapidamente e integralmente.

Biografia do Autor

Wilder Kleber Fernandes de Santana, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Doutorando em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Márcia Rejane da Silva Junqueira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Rafael Marques Garcia, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutorando em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Lucas Francelino de Lima, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Graduando em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Referências

Bicudo, M. A. V. (2011). Pesquisa qualitativa segundo a abordagem fenomenológica. São Paulo: Cortez.

Cavalcante, M. (2005). Como criar uma escola acolhedora. Nova Escola, 180(4), 52-57.

Cohen, R. H. P. (2014). Apostila de psicomotricidade. Universidade Federal do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro/RJ, 1-17.

Couto Júnior, D.R., Pocahy, F., & Oswald, M. L. (2018). Crianças e infâncias (im)possíveis na escola: dissidências em debate. Revista Periódicus, 1(9), 55-74.

Cunha, A. E. (2008a). Afetividade na prática pedagógica: educação, TV e escola. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Cunha, A. E. (2008b). Afeto e aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica. Rio de Janeiro: Wak Editora.

Davis, C., & Oliveira, Z. (1990). Psicologia na educação. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Garcia, R. M. (2020). A constituição de corpos e infância durante as aulas de Educação Física escolar. In W. K. F. Santana, & E. L. Silveira (Orgs.). Educação: entre saberes, poderes e resistências, São Carlos: Pedro & João Editores, 10-21.

Garcia, R. M., Pereira, E. G. B. (2019). Reflections about the film “The Wild Child” (1970) through Piaget and Vygotsky perspectives. Journal of Humanities and Education Development, 1(4), 179-185.

Gonçalves, M. F. C. (Org). (2003). Educação escolar: identidade e diversidades. Florianópolis/SC: Insular.

Oliveira, Z. (2007). Educação Infantil: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

Piaget, J. (1959). A Linguagem e o pensamento da criança. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Piaget, J. (1983). Psicologia da inteligência. (2a ed., N. C. Caixeiro, Trad.) Rio de Janeiro: Zahar.

Richardson, R. J. (2008). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rizzo, G. (2006). Creche: organização, currículo, montagem e funcionamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Rodrigues, M. (1976). Psicologia educacional: uma crônica do desenvolvimento humano. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil.

Roncarati, M. (2012). Afetividade na creche: reflexões sobre suas emoções. São Paulo: Editora Dimensão.

Vygotsky, L.S. (2003). Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed.

Wallon, H. (1986). As origens do pensamento na criança. São Paulo: Manole.

Wallon, H. (1995). Psicologia e educação da infância. Lisboa: Estampa.

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
2021-03-08