A intertextualidade como elemento persuasivo em propagandas

  • João Victor Pessoa Rocha Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Daiane Soares Bertolino Universidade Federal de Mina Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Intertextualidade, Propaganda, Estratégia persuasiva

Resumo

Este trabalho analisa como a publicidade vale-se da intertextualidade como estratégia persuasiva, visto que a propaganda tem o propósito de influenciar opiniões ou de obter adesão para uma ideia (Lara & Souza, 2007). Adotaremos a definição de dialogismo de Bakhtin (1997) e de intertextualidade em Maingueneau (2006). Foram selecionadas propagandas das seguintes empresas: SBT, Record, Netflix, Skol, McDonald’s e Burger King, agrupadas em dois conjuntos. Na análise, foram explorados a disposição de informações; o eixo temático; o texto verbal; a composição gráfica; e o diálogo estabelecido entre os textos. Como resultados, foi percebido uma semelhança da disposição dos elementos imagéticos e dos enunciados entre as propagandas analisadas. A partir da divisão proposta em conjuntos, notou-se que as propagandas estabelecem ora uma relação clara e explícita, ora implícita. Portanto, a intertextualidade faz parte da estrutura textual do gênero e ela também age discursivamente a favor das propagandas.

Biografia do Autor

João Victor Pessoa Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Graduando em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Daiane Soares Bertolino, Universidade Federal de Mina Gerais (UFMG)

Graduanda em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Referências

Abreu, M. T. T V.; Santos, C. N. (2019). As relações de intertextualidade conforme as funções discursivas anafóricas no gênero digital comentário no Facebook. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, 12(1),19-36

Aumont, J. (2009). A imagem. Lisboa: Editora Edições Texto e Grafia.

Bakhtin, M. (1990). Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec.

Bakhtin, M. (1997). Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

Campos, R. C. S. (2012). Anunciou - vendeu? O anúncio publicitário na mídia impressa e os mecanismos de sua construção como gênero: uma análise funcional-discursiva. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.

Fiorin, J. L. (2006). Interdiscursividade e intertextualidade. In B. Brait (Org.). Bakhtin: outros conceitos chaves. São Paulo: Editora Contexto, 161-194.

Ganzella, L. M. (2015). Análise do discurso e a linguagem publicitária: um estudo de caso. Interletras, 4(22), 1-13.

Chabrol, C. (2008). Humor e mídia: definições, gêneros e cultura. In G. M. P. Lara, I.L. Machado & W. Emediato (Orgs.). Análise do discurso hoje, v. 2. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 221-234.

Knoll, G. F. & Pires, V. L. (2010). Intertextualidade e propaganda: análise de processos intertextuais em anúncios impressos. Anais do Seminário Internacional de Texto, Enunciação e Discurso, Porto Alegre, 210-216.

Lara, A. G. C.; Souza, L. C. P. (2007). O gênero propaganda na escola: uma análise das aulas de leitura. Gatilho, 6(1),1-11.

Maingueneau, D., Barbosa, M. V. & Lima, M. E. A. T. (2006). Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Marcuschi, L. A. (2002) Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In A. P. Dionísio, A. R. Machado & M. A. Bezerra (Orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna.

Possenti, S. (2010). Humor, língua e discurso. (1a ed.), São Paulo: Editora Contexto.

Pitol, Y. U. (2017). A publicidade infantil na sociedade de consumo: uma análise empírica da publicidade e de sua (in)conformidade com o direito brasileiro. Dissertação (Mestrado). Universidade La Salle, Canoas, Rio Grande do Sul, Brasil.

Meio e Mensagem. (2014). Record planeja processar Netflix. Recuperado em 10 de novembro de 2017 de https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2014/02/13/record-planeja-processar-netflix.html

Meio e Mensagem. (2014). SBT entra na polêmica de Record e Netflix. Recuperado em 10 de novembro de 2017 de https://www.meioemensagem.com.br/home/midia/2014/02/17/sbt-entra-na-polemica-de-record-e-netflix.html

Vale, R. P. G. (2014). Argumentação na mídia, problematicidade e imitação nos gêneros transgressivos. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 6(1), 138-152.

Publicado
2021-03-08