Loucura ou ficção? Uma leitura de Dom Quixote

Palavras-chave: Estratégias; Leitura; Proficiência; Ficção.

Resumo

O presente relato de experiência trata de como foi realizado um trabalho em sala de aula sobre níveis e estratégias de leitura a partir da análise da obra Dom Quixote.  Basicamente, como referencial teórico, utilizaram-se os autores Alberto Manguel e Isabel Solé. A metodologia empregada foi a pesquisa de campo quantitativa por meio da aplicação de questionário sobre leitura, além da pesquisa bibliográfica. O objetivo proposto foi investigar diferentes níveis de proficiência leitora entre discentes de mesma idade e buscar entender o porquê de possíveis discrepâncias. Para tanto, foram executadas atividades de pré-leitura, de trabalho com adaptações do texto de Miguel de Cervantes até a leitura integral. Constatou-se que, mesmo sendo um dos maiores clássicos da literatura universal, os alunos apresentaram níveis muito díspares de proficiência leitora, sendo assim, necessária a intervenção docente a fim de alinhar as competências e habilidades de leitura requeridas do jovem nesta faixa etária.

Biografia do Autor

Viviane Barbosa Rasga Aires, Centro Estadual de Educação Tecnológica de São Paulo (CEETEPS)

Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade de Tecnologia Álvares de Azevedo (FAATESP). Coordenadora no Centro Estadual de Educação Tecnológica de São Paulo (CEETEPS). Pesquisadora no Grupo de Pesquisa GIEL/CNPq.

Referências

CERVANTES, M. Dom Quixote. 1.ed. Adap. Marcia Williams. São Paulo: Ática, 2004.
__________. Dom Quixote. Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/eb00008a.pdf . Acesso em 10/08/2018.
MANGUEL, A. Uma história da leitura. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Cia Letras, 1997.
SOLÉ, I. Estratégias de leitura. 6.ed. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: ARTMED, 1998.
Publicado
2019-07-12