Metodologias ativas para o ensino de Inglês e Espanhol no ensino médio profissionalizante

Palavras-chave: Línguas estrangeiras; Metodologias Ativas; Metodologias da Problematização.

Resumo

Tendo como foco a oferta de educação profissionalizante, os institutos federais completaram 10 anos em 2018. Considerando os desafios da integração entre a formação propedêutica e a formação técnica, este trabalho retrata um estudo, em andamento, que consiste em uma pesquisa-ação envolvendo o uso de metodologias ativas especificamente da Metodologia da Problematização, para o ensino das línguas adicionais, Inglês e Espanhol, no ensino médio integrado do IFTO. A pesquisa trata do desenvolvimento de um método de avaliação da competência comunicativa em língua inglesa, para os estudantes das primeiras séries de médio integrado, e em língua espanhola para a terceira série. Nesse aspecto, a pesquisa em tela é interdisciplinar e de natureza qualitativa e quantitativa. Como resultados preliminares, os estudantes obtiveram rendimentos satisfatórios em relação aos métodos avaliativos tradicionais.

Biografia do Autor

Elkerlane Martins de Araújo Moraes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)

Doutora em Linguística pela Universidade de Brasília (UnB). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO). Pesquisadora nos Grupos de Pesquisa GIEL/CNPq, NELLPE/CNPq e GECAL/CNPq.

Graziani França Claudino de Anicézio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO)

Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT). Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins (IFTO). Pesquisadora no Grupo de Pesquisa NELLPE/CNPq.

Referências

BACICH, L.; TANZI NETO, A; TREVISANI, F. de M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.
BASTOS, C. C. Metodologias ativas. Educação e medicina, 2006. Disponível em educacaoemedicina.blogspot.com/2006/02/metodologias-ativas.html Acesso em 23 jan. 2019.
BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, jan./jun. 2011, pp. 25-40.
___________. Metodologia da problematização: experiências com questões de ensino superior, ensino médio e clínica. Londrina: EDUEL, 1998.
GOMES, N. L. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, v. 17, 2007.
KRASHEN, S. D. Principles and practice in second language acquisition. New York: Prentice Hall, 1987.
MASETTO, M. Metodologias ativas e o processo de aprendizagem na perspectiva da inovação. In: CONGRESSO INTERNACIONAL PBL, 2010, São Paulo. Anais. São Paulo, 2010.
MORAES, E. M. A. “Deixa-me ir e vir”, canta o rouxinol: reminiscências docentes e política linguística de internacionalização para uma ciência sem fronteiras. 256f. Tese de Doutorado em Linguística. PPGL/IL/LIP, Universidade de Brasília, 2018.
MITRI, S. M. Metodologias ativas de ensino aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, supl. 2, 2008, pp. 2133-2144.
RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lilian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
SOBRAL, F. R.; CAMPOS, C. J. G. Utilização de metodologia ativa no ensino e assistência de enfermagem na produção nacional: revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP, v. 46, n. 1, 2012, pp. 208-218.
Publicado
2019-07-12