A construção de narrativas eurocêntricas na sociedade zambeziana do século XIX

Palavras-chave: Mulheres africanas; Moçambique; Zambeze; África.

Resumo

Abordaremos neste artigo o espaço dos prazos zambezianos como território de contato entre culturas afro-portuguesa e passível de análise de evidências do poder feminino e de tal exercício de poder de Luísa do Goengue como “dona na Zambézia”, na segunda metade do século XIX. Possuía o prazo do Goengue localizado no vale do Zambeze, situado em Moçambique atual. As discussões da historiografia colonial sobre os territórios dos prazos ficaram, durante muito tempo, restritas ao debate político e ideológico direcionado para a estrutura dos prazos com ênfase na sua origem, processo de transformação, estrutura social política e econômica subjacente a isto estava uma perspectiva eurocêntrica da construção do conhecimento histórico de Moçambique.

Biografia do Autor

Iamara de Almeida Nepomuceno, Universidade de São Paulo (USP)

 Mestranda em História Social pela Universidade de São Paulo (USP). Técnica em Educação no Instituto Federal de São Paulo (IFSP).

Referências

ANDRADA, J. C. P. Relatório de uma viagem às terras dos landins. Lisboa: Imprensa Nacional, 1885. Disponível em http://www.archive.org. Acesso em 15 de outubro de 2016.
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: _______. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1979] 2003.
BARROS, J. A. Fontes históricas: revisitando alguns aspectos primordiais para a Pesquisa Histórica. Mouseion, n. 12, mai/ago/2012, pp.129-159.
CAPELA, J. Donas, senhores e escravos. Porto: Edições Afrontamentos, 1995.
CASTILHO, A. Relatório da guerra da Zambézia em 1888. Lisboa: Imprensa Nacional, 1891. Disponível em http://www.archive.org. Acesso em 15 de janeiro de 2014.
COURRET, C. A l'est et à l'ouest dans l 'Océan Indien: Sumatra, la côte du Poivre, massacre de la mission Wallon à Atjeh, Zanzibar, Nossi Bé, Mozambique, 1884. Disponível em http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k5475229m?rk=42918;4. Acesso em 25 de julho de 2017.
DIAS, M. O. L. S. Novas subjetividades na pesquisa histórica feminista: uma hermenêutica das diferenças. Estudos Feministas, ano 2, 1994, pp. 373-382.
FERREIRA, J. J. Recordações da expedição da Zambézia em 1869. Elvas: Typographia Progresso, 1891, 2ª Edição. Disponível em http://www.archive.org. Acesso em 15 outubro 2015.
GAFFARD, R. Exploration au Zambèse: situation géographique et aspect du pays, flore, faune, habitants. Paris: Yve Éthiou-Pérou, 1882. Disponível em http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k201051r. Acesso em 25 de julho de 2017.
GAZETA DO SUL. D. Luísa da Cruz, Quelimane, ano 1, n. 8, p. 2, 13 de julho de 1889. Folha semanal. Disponível em Biblioteca Nacional Digital: http://purl.pt/26330/4/344347_PDF/344347_PDF_24-C-R0150/344347_0000_1-4_t24-C-R0150.pdf. Acessado em 05 de maio de 2016.
GUYOT, P. Voyage au Zambèse. Paris: Joseph André et Cie, 1895. Disponível em: http://www.archive.org. Acesso em 15 de outubro de 2016.
ISAACMAN, A. A tradição de resistência em Moçambique: o vale do Zambeze, 1850-1921. Porto: Afrontamento, 1979.
JUNQUEIRA, M. A. Elementos para uma discussão metodológica dos relatos de viagem como fonte para o historiador. Cadernos de Seminários de Pesquisa, vol. II. São Paulo: USP/FFLCH, 2011, pp. 44-61.
LOBATO, A. Colonização senhorial da Zambézia e outros estudos. Lisboa: Junta de Investigações de Ultramar, 1962.
MAGALHÃES, J. P. Trajetórias e resistências de mulheres sob o colonialismo português (Sul de Moçambique, XX). Tese de Doutorado em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.
MARGARIDO, A. Algumas formas de hegemonia africana nas relações com europeus. Actas da 1ª Reunião Internacional de História da África, IICT, 1998, pp. 383-406.
MARTINS, J. P. O. O Brazil e as colônias portuguesas 1845-1894. Lisboa: Parceria A. M. Pereira, 1920.
NEWITT, M. D. D; GARLAKE, P. S. The 'aringa' at Massangano. The Journal of African History, v. 8; march, 1967, pp.133-156.
___________. História de Moçambique. Lisboa: Publicações Europa América, 1995.
OLIVEIRA, D. J. A província de Moçambique e o Bonga. Coimbra: Imprensa Académica, 1879. Disponível em: http://www.archive.org. Acesso em 12 de janeiro de 2014.
RODRIGUES, E. Chiponda, a “senhora que tudo pisa com os pés”. Estratégias de poder das donas dos prazos do Zambeze no século XVIII. I Simpósio Internacional, UFBA, 2000.
SOIHET, R. História das mulheres e história de gênero: um depoimento. Cadernos Pagú (11) 1998, pp.77-87.
WISSENBACH, M. C. C. Teodora Dias da Cunha: construindo um lugar para si no mundo da escrita e da escravidão. In: Xavier, G.; Barreto, J. F.; Gomes, F. (Orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e no pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.
Publicado
2019-07-12