Povos indígenas e injustiça etnoambiental na formação territorial brasileira

Palavras-chave: Territorialidade; Etnoambientalismo; Injustiça; Povos Indígenas.

Resumo

O tema que permeia o presente artigo dialoga com os conceitos de injustiça e racismo ambiental, buscando entrelaçar estas duas noções, além de tecer algumas considerações focalizando a questão indígena brasileira. Para os povos originários, o processo de formação territorial brasileira pós-colonização é considerado injusto do ponto de vista sociocultural e ambiental. Esses territórios foram constituídos com base em ecossistemas endêmicos e equilibrados, numa relação dialética de dar e receber visando à preservação dos mesmos. Entretanto, a destruição ambiental promovida por diferentes setores da sociedade colonialista ao longo do tempo são a representação visível da expropriação territorial dos povos originários. Discutiremos neste artigo a relação entre a colonização e as injustiças etnoambientais até a contemporaneidade que foi marcada por conflitos envolvendo práticas econômicas agrícola-predatórias, projetos desenvolvimentistas e usurpação territorial de comunidades tradicionais.

Biografia do Autor

Marjana Vedovatto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Mestre em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP).

Referências

ACSELRAD, H. Justiça ambiental: narrativas de resistência ao risco social adquirido. In: Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Brasília: MMA, 2005.
BRASIL. Instituto Socioambiental (ISA). Tijuco Alto: saiba porque ela não interessa ao Vale do Ribeira. Material de divulgação. Bureau, São Paulo, novembro de 2002.
BONNEMAISON, J. Viagem em torno do território. In: CORRÊA, R. L.; ROSENDHAL, Z. (Orgs.). Geografia cultural: um século. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2002.
CLASTRES, P. A arqueologia da violência. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Cosac e Nayf, 2004.
FIOCRUZ. Mapa de conflitos envolvendo injustiça ambiental e saúde no Brasil. Disponível em http://mapadeconflitos.ensp.fiocruz.br/. Acessado em 12/03/2019.
HAESBAERT, R. Região e rede regional gaúcha: entre redes e territórios. Boletim Gaúcho de Geografia. Ago, nº 21, 1996, pp. 15-27.
HERCULANO, S. O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, v. 3, n. 1, 2008, jan./abril. Disponível em http://www3.sp.senac.br/hotsites/blogs/InterfacEHS/wp-content/uploads/2013/07/art-2-2008-6.pdf. Acesso em 12/03/2019.
KUARAY, J. P. Depoimento em 2017. In: VEDOVATTO, M. Resistir pela força espiritual dos antigos: conflito de territorialidades na terra indígena Guarani de Mato Preto (RS). 180f. Dissertação de mestrado. PPGgeo, Universidade Federal Fluminense. Niterói, RJ, 2018.
KUJAWA, H; TEDESCO, J. C. Demarcações de terras indígenas no norte do rio grande do sul e os atuais conflitos territoriais: uma trajetória histórica de conflitos sociais. Tempos Históricos, volume 18, 2014, pp. 67-88.
LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2006.
MIGNOLO, W. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del signo, 2010a.
___________. Desobediencia epistémica (II): pensamiento independiente y libertad decolonial. Revista de Estudos Críticos Otros Logos, año I, nro. 1. Universidad Nacional del Comahue, 2010b. Disponível em http://www.ceapedi.com.ar/otroslogos/revistas/0001/mignolo.pdf. Acesso em 10 de março de 2019.
PACHECO, T. O Mapa da injustiça ambiental e saúde e o direito à cidade, ao campo, à vida. Palestra realizada no Quarto Simpósio O rio e a cidade – Cidade Sustentável: um Direito, realizado pela Prefeitura e Secretaria de Meio Ambiente de Mauá, São Paulo, 2010. Disponível em https://racismoambiental.net.br/textos-e-artigos/o-mapa-da-injustica-ambiental-e-saude-e-o-direito-a-cidade-ao-campo-a-vida/ Acessado em 12 de março de 2019.
PORTO, P. S. S.; PORTO, M. F. S. Desastres, crise e justiça ambiental: reflexões a partir do contexto brasileiro. O Social em Questão, ano XVIII, nº 33, 2015, pp. 153-176.
PRINTES, R. B. Território e territorialidade: revisando conceitos diante da complexidade da sociodiversidade. V Seminário Observatórios, Metodologias e Impactos. Unisinos, 2015.
QUIJANO, A. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, nº 37, Instituto Astrojildo Pereira. São Paulo, 2002.
___________; VALENCIA, O. Biopolitica, subjetividad y economía: vida y regulación de la desregulación. In: ___________; VALENCIA, O.; TOBAR, J. (Orgs.). Biopolítica y filosofías de vida. Colômbia: Editora de la Universidad del Cauca, 2006.
SANTANA, E. Injustiça ambiental e racismo ambiental: faces de uma mesma moeda. Combate ao Racismo Ambiental. 6 de junho de 2018. Disponível em https://racismoambiental.net.br/2018/06/06/injustica-ambiental-e-racismo-ambiental-faces-de-uma-mesma-moeda/ Acessado em 11 de março de 2019.
VELEDA, M. D. Justiça ambiental: um instrumento de cidadania. Âmbito Jurídico, Rio Grande, XII, n. 65, jun/2009.
Publicado
2019-07-12