Memorabilidade discursiva em documentos oficiais do ENEM

Portaria MEC n° 438, de 28 de Maio 1998 e o Edital n° 10, de 14 de Abril de 2016

  • Beatriz Silva Rocha Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Memorabilidade, Discurso, Documentos, ENEM

Resumo

Este trabalho analisa o conceito de memorabilidade discursiva em dois documentos norteadores do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), a Portaria MEC n° 438, de 28 de Maio 1998 e o Edital n° 10, de 14 de Abril de 2016, documentos que estabelecem as égides das respectivas edições da prova. Em específico, a Portaria n° 438 inaugura o exame. Adotaremos a noção de memorabilidade discursiva tal como definida por Maingueneau (2015). Foram analisados os objetivos gerais da prova em cada documento promovendo uma análise comparativa entre eles, a fim de depreender traços que se materializaram no imaginário social em relação ao exame, assim como os enunciados que denotam o caráter normatizador dos documentos. Como resultados, percebemos que houve a inscrição histórica das normatizações da Portaria n°438, tornando-a um traço e reverberando, ainda, nas edições mais recentes do ENEM. Além disso, destaca-se a interdisciplinaridade no Edital n°10, de 2016.

 

Biografia do Autor

Beatriz Silva Rocha, Universidade Federal de São Paulo

Mestre em Letras pela Universidade Federal de São Paulo

Referências

BRASIL. Edital n° 10, de 14 de Abril de 2016. Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM 2016, Brasília, DF, abril, 2016
BRASIL. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, Brasília, DF, dezembro, 1996.
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio – 1998. Prova Amarela. Brasília, DF: INEP, 1998.
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio – ENEM: Relatório Final 98. Brasília, DF: INEP, 1998b. Disponível em: . Acesso em Março de 2021.
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): fundamentação teórico-metodológica / Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. – Brasília: O Instituto, 2005.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997
BRASIL.
CAVALCANTI, J. A presença do conceito gêneros de discurso nas reflexões de D. Maingueneau. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, SC, v.13, n.2, p-429-448, 2013.
FAZENDA, I. Didática e Interdisciplinaridade./Ivani Fazenda (org.). – Campinas, SP: Papirus, 7ª edição, 2002.
LEAL, A. A reformulação das portarias do ENEM: uma análise discursiva das diferentes versões. Revista Soletras, Estudos Linguísticos – N. 30 – 2015. 2.
MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação/Dominique Maingueneau; tradução de Cecília P. de Souza-e-Silva, Décio Rocha. – 3.ed. – São Paulo: Cortez, 2004.
__________________. Discurso e análise do discurso/Dominique Maingueneau; tradução Sírio Possenti. – 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.
__________________. Gênese dos discursos/Dominique Maingueneau; tradução: Sírio Possenti. – São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
SILVA, D. De onde vêm as palavras: origens e curiosidades da língua portuguesa./Deonísio da Silva. -17.ed.- Rio de Janeiro: Lexicon, 2014.
Publicado
2021-08-31