Quadro a quadro

Histórias em quadrinhos em e-books dos X-Men para o ensino de língua portuguesa no ensino básico

  • Gabriel Vicente Universidade Federal de Lavras
Palavras-chave: Ensino, X-Men, Semiótica, Língua portuguesa

Resumo

Em meados do século XIX, as histórias em quadrinhos, ou HQs, surgiram na cultura ocidental como uma forma de linguagem e arte fundada na mescla semiótica de imagens e palavras. A história dos X-MEN, criada por Jack Kirby e Stan Lee em 1963, proporcionou uma abordagem com temas ainda não tão bem explorados por outras HQ¹, como preconceitos raciais, filosofias, puberdade e conflitos sobre ética.  Nesse sentido, este trabalho, que opera na interface dos estudos de análise do discurso e semiótica, investiga os mecanismos de produção de sentido nas HQs dos X-MEN e as suas modificações em relação às mudanças da sociedade. Além disso, comparam-se acontecimentos enunciativos das duas linhas teóricas e analisa-se, com enfoque na narratividade do conteúdo e na narratividade da expressão, o uso das HQs X-MEN no Ensino Básico. Observa-se, ainda, a dinâmica da relação entre os dois planos da linguagem, à medida que o olhar analítico se desloca do domínio dos quadrinhos ordinários com heróis distantes da realidade dos sujeitos alunos no ensino básico. Além disso, esse trabalho promove as HQs dos X-MEN de Lee até as escritas por Chris Claremont, no ensino de Língua Portuguesa através de e-books. Para isso, dá-se prioridade, neste trabalho, aos conceitos e ferramentas de análise das vertentes discursivas e da semiótica e didática, pedagógica e metodológica, mas recorre-se, também, a fundamentos da análise do discurso e a exemplos ilustrativos e noções inteligíveis aos campos das HQs para uso de ensino na Educação Básica para alunos com dificuldades em leitura, escrita e interpretação.

Biografia do Autor

Gabriel Vicente, Universidade Federal de Lavras

Graduando em Letras pela Universidade Federal de Lavras

Referências

ANTUNES, Irandé. Lutar com Palavras. São Paulo: Editora Parábola. 2017

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Editora WMF, 2018. Adendo, cap. 1 - 2, pág. 261 - 264.

BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec,1992.

BAKHTIN, Mikhail. O problema do texto na lingüística, na filologia e em outras ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2003b. p. 307-335.

DE MORAIS ALT, João Carlos. SEMIÓTICA E QUADRINHOS: modulações do sentido nas HQs canônicas e abstratas. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE LETRAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM
ESTUDOS DE LINGUAGEM. Niterói, RJ 2015. Tese de Doutorado: Área: Linguística. Linha de pesquisa: Teorias do texto, do discurso e da interação.

EISNER, Will. Comics & Sequential Art. São Paulo: Martins Fontes. 1989
MOYA, Álvaro. História das Histórias em Quadrinhos. São Paulo: Editora L&PM, 1986.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS, Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : apresentação dos temas transversais, ética / Secretaria de Educação Fundamental. 1997. Pág. 26).

VERGUEIRO, Waldomiro. Uso das HQs no ensino. In: RAMA, Angela;

VERGUEIRO, Waldomiro. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. São Paulo: Editora Contexto, 2004. Cap., p. 7-30.

VILLARTA-NEDER, Marco, FERREIRA, Helena. Vídeoanimação: Provocações para o Ensino da Leitura de Textos Multissemióticos. 2018. (pág 1 - 4).
Publicado
2021-08-31