Educação linguístico-literário em contexto

A construção do atual projeto educacional brasileiro

  • Quezia dos Santos Lopes Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Ensino de língua e literatura, Formação cidadã, Educação básica brasileira

Resumo

Muito se discute atualmente sobre entraves no ensino de língua e literatura na educação básica e sobre os novos direcionamentos para essas disciplinas diante do cenário identificado. À vista disso, o objetivo deste ensaio é discutir a educação linguístico-literária brasileira no contexto atual, recuperando, para isso, alguns de seus principais aspectos histórico, político e sociais. Defende-se, neste texto, que qualquer projeto educacional se insere numa visão particular de escola e sociedade, com vistas à sua conservação ou transformação. Diante disso, avaliam-se os deslocamentos traçados, pelas pesquisas recentes na área e pelos documentos oficiais de educação (PCN, BNCC, LDB), para uma nova postura de ensino que vise à formação básica do cidadão.

Biografia do Autor

Quezia dos Santos Lopes Oliveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora de português da Prefeitura Municipal de Mesquita

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Campinas: Ed. Da Unicamp, 1992.
BAGNO, M. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
______. “Norma linguística e preconceito social: questões de terminologia”. Veredas, revista de estudos linguísticos. Juiz de Fora, v. 5, n. 2, 2001, p.71-83.
______. Gramática Pedagógica do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.
______. Secretaria de Educação Fundamental. PCN+ Ensino médio: orientações educacionais complementares aos parâmetros curriculares nacionais: Linguagem, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEF, 2002.
______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016.
______. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional. – 2. ed. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2018. 58 p.
BUNZEN, C. “A fabricação da disciplina escolar Português”. Rev. Diálogo Educ.,Curitiba, v. 11, n. 34, p. 885-911, set./dez. 2011.
DALVI, “Literatura na educação básica: propostas, concepções, práticas”. Cadernos de Pesquisa em Educação - PPGE/UFES 123 Vitória, ES. a. 10, v. 19, n. 38, p. 11-34, jul./dez. 2013a.
DALVI, M. “Literatura na escola: propostas didático-metodológicas”. In.: DALVI, M.; REZENDE, N. & JOVER-FALEIROS, R. (orgs.) Leitura de literatura na escola. - São Paulo, SP: Parábola, 2013b, p.75-92.
DALVI, M. Leitura de literatura na escola (minicurso). Parábola Editorial (Canal do Youtube). Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=THT0pEmK7yk> set./2020.
ECO, H. Seis passeios pelo bosque da ficção. 8. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
FORQUIN, Jean Claude. "As abordagens sociológicas do currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa." In.: Educação e Realidade, 1996, vol. 21, n. 1, p. 187-198. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71652 >. Acesso em 14 mar 2021.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GERALDI, J. W. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2006.
______. “Atividades epilinguísticas no ensino de língua materna”. Revista de Humanidades e Letras. Vol. 2, Nº. 1, 2015.
HOFFMANN, J.M.L. “Avaliação mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento”. In: ALVES, M.L. et al. (Orgs.). Avaliação do rendimento escolar. São Paulo: FDE, 1994. p.51-9. (Série Ideias, 22).
JAUSS, H. R. “A estética da recepção: colocações gerais”. In: COSTA LIMA, L. (Org.). A literatura e o leitor: textos de Estética da Recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979, p. 43-61.
LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2013.
LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez, 2003.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In.: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. Gêneros Textuais & Ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005, p. 19-36.
POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola? Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 1996.
REZENDE, N. “O ensino de literatura e a leitura literária”. In.: DALVI, M.; REZENDE, N. & JOVER-FALEIROS, R. (orgs.) Leitura de literatura na escola. - São Paulo, SP: Parábola, 2013, p.99-112.
______. “A formação do leitor na escola pública brasileira: um jargão ou um ideal”. In.: ALVES, J. H. P. (Org.). Memórias da Borborema 4: Discutindo a literatura e seu ensino– Campina Grande: Abralic, 2014.
ROUXEL, A. “Ensino da literatura: experiência estética e formação do leitor”. In.: ALVES, J. H. P. (Org.). Memórias da Borborema 4: Discutindo a literatura e seu ensino– Campina Grande: Abralic, 2014.
SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In.: BAGNO, M. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.
SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.
______. ‘Português na escola: história de uma disciplina curricular. Materiais escolares: história e sentidos”. Revista de Educação AEC. Brasília, vol. 25, nº 101, out/dez. de 1996.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 11ªed. São Paulo: Cortez, 2009.
Publicado
2021-08-31