Foucault e o belo perigo

Entre a escrita e palavra

  • Cristiano Antonio dos Reis Escola Estadual Dr. Estevão Alves Corrêa (SEDUC/MT)
Palavras-chave: Escrita; Narrativa; Acontecimento; Historiografia

Resumo

O presente artigo versa sobre a problemática da escrita e do discurso assumidas pelo filósofo francês Michel Foucault. Tal percurso busca dar visibilidade a uma política da escrita e uma ética do discurso assinalando algumas dimensões e implicações desses posicionamentos na historiografia bem como os seus desdobramentos em lutas e posicionamentos políticos atuais.

Biografia do Autor

Cristiano Antonio dos Reis, Escola Estadual Dr. Estevão Alves Corrêa (SEDUC/MT)

Possui graduação em História pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2005), mestrado em Estudos de Cultura Contemporânea pela Universidade Federal de Mato Grosso (2010) e doutorado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso (2018). Atualmente é professor de história da Escola Estadual Dr. Estevão Alves Corrêa. Tem experiência na área de História, com ênfase em História, atuando principalmente nos seguintes temas: história, narrativa, memória e poder, resistência, cultura, criação.

Referências

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução de Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2010.

BLANCHOT, M. O espaço literário. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 2011.

CARDOSO JÚNIOR, H. R. Enredos de Clio: pensar e escrever a história com Paul Veyne. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

CARVALHO, J. M. Foucault e a Arte da Escrita. In: FOUCAULT, M. O Belo Perigo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

CERTEAU, M. A Escrita da História. Trad. Maria de Lourdes Menezes. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CERTEAU, M. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Trad. Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

COURTINE, J. Decifrar o corpo: pensar com Foucault. Trad. Francisco Morás. Petrópolis-RJ: Vozes, 2013.

DELEUZE, G. A literatura e a vida. In: FOUCAULT, M. Crítica e Clínica. Trad. Peter Pàl Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.

DOSSE, F. Renascimento do Acontecimento: um desafio para o historiador entre Esfinge e Fênix. Trad. Constância Morel. São Paulo: Unesp, 2013.

FARGE, A. Lugares para a história. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. 9ª ed. São Paulo: Loyola, 2003.

FOUCAULT, M. A Coragem da Verdade: Curso no Collège de France (1983-1984). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. O Belo Perigo. Trad. Fernando Scheibe. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

FOUCAULT, M. O Governo de Si e dos outros: curso no Collège de France (1982-1983). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, M. O que são as Luzes? In: FOUCAULT, M. Ditos & Escritos II: Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento. Trad. Elisa Monteiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

GROS, F. A parrhesia em Foucault (1982-1984). In: GROS, F. (Org.). Foucault: A Coragem da Verdade. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

KAFKA, F. Um artista da fome. In: Essencial Franz Kafka. Seleção, introdução e tradução de Modesto Carone. São Paulo: Penguin Classics/Companhia das Letras, 2011.

MELVILLE, H. Bartebly, o escriturário: uma história de Wall Street. Trad. Cássia Zanon. Porto Alegre: L&PM, 2008.

RANCIÈRE, J. Políticas da Escrita. Trad. Raquel Ramalhete, Laís Eleonora Vilanova, Lígia Vassalo e Eloisa Araújo Ribeiro. 2ª ed. São Paulo: Editora 34, 2017.

VEYNE, P. Como se escreve a história/ Foucault revoluciona a história. Trad. Alda Baltar e Maria Auxiliadora Kneipp. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1998.

Publicado
2020-05-05