Katniss Everdeen e Peeta Mellark

Uma mudança na representação dos arquétipos da antiguidade clássica na trilogia de ficção científica “Jogos vorazes”

Palavras-chave: Arquétipos literários, Antiguidade clássica, Herói, Donzela, Jogos vorazes

Resumo

Neste artigo, objetivamos, a partir da trilogia “Jogos vorazes”, escrita por Suzanne Collins (1962-), abordar o tema dos arquétipos literários masculinos e femininos, a saber, o herói e a donzela, personagens comumente encontrados em mitos da Antiguidade Clássica. Baseando-nos em Mazucchi-Saes (2005), Randazzo (1996), dentre outros, buscamos averiguar de que forma Collins redefine esses arquétipos clássicos. Assim, esperamos demonstrar que nos romances da trilogia há uma mudança na representação dos arquétipos literários da Mitologia Clássica, isto é, o arquétipo do herói, que por tanto tempo esteve ligado ao elemento masculino, é representado por uma personagem feminina, Katniss Everdeen. Por consequência, o arquétipo da donzela é representado por uma personagem masculina, Peeta Mellark. Ao perceber que, em “Jogos vorazes”, as imagens arquetípicas não estão mais fixadas a certos gêneros, buscamos elucidar o que pode ter influenciado Collins a romper com esse paradigma em suas obras.

Biografia do Autor

Guilherme Augusto Louzada Ferreira de Morais, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Doutorando (atual) e mestre em Teoria da Literatura (2018) e licenciado em Letras (2015) na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Atua como docente de língua inglesa e possui experiência na área de Letras, com ênfase em Teoria da Literatura e Estudos Literários, em atuando, principalmente, nos seguintes temas: Jogos vorazes, Heroína, Arquétipos literários, Cultura romana, Mitologia, Conto maravilhoso, Crítica feminista, Intertextualidade e Literatura comparada.

Referências

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. 4. ed. v. 1. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

BOND, P. The politics of ‘The Hunger Games’. The Hollywood Reporter, 2012. Disponível em: https://www.hollywoodreporter.com/news/hunger-games-politics-jennifer-lawrence-303601 Acesso em 13 de agosto de 2018.

BONNICI, T. Teoria e crítica literária feminista: conceitos e tendências. Maringá: Eduem, 2007.

BRITTON, R. M. Appalachia in Science Fiction: Cormac McCarthy’s The Road and Suzanne Collins’s The Hunger Games. 85f. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual do Apalache, 2015.

CAMPBELL, J. O herói de mil faces. 10. ed. Trad. Adail Sobral. São Paulo: Cultrix, 1997.

CHATAGNIER, J. C. O gênero em questão: crítica e formação nos Bildungsromane The secret Life of Bees, de Sue Monk Kidd e Sapato de salto, de Lygia Bojunga. 186f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura). Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista, 2014.

COLLINS, S. Jogos vorazes. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2010.

______. Em chamas. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2011a.

______. A esperança. Trad. Alexandre D’Elia. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores, 2011b.

______. Interview with Suzanne Collins and David Levithan. In: ______. The Hunger Games (special edition). New York: Scholastic Press, 2018.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. de Tomáz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HAMILTON, E. Os deuses, a criação e os heróis primitivos (Primeira Parte) e Os grandes heróis (Terceira e Quarta Partes). In: ______. Mitologia. Trad. Jeferson L. Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1992. p. 21-124 e 205-360.

HENTHORNE, T. Approaching the Hunger Games Trilogy: a Literary and Cultural Analysis. Jefferson, North Carolina, and London: McFarland & Company, 2011.

HOMERO. Odisséia. Trad. de Jaime Bruna. São Paulo: Cultrix, 2004.

HUDSON, H. T. Sit down with Suzanne Collins. Instructor, v. 120, n. 2, p. 51, 2010. Disponível em http://connection.ebscohost.com/c/interviews/54116177/sit-down-suzanne-collins Acesso em 23 de dezembro de 2016.

JAEGER, W. Paidéia: a formação do homem grego. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Trad. Dora Mariana R. Ferreira da Silva e Maria Luiza Appy. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

KERSTEN, A. Fighting for a fairy tale: elements of dystopia and fairy tale in young adult dystopian fiction. Nijmegen, 85f. Dissertação (Mestrado). Holanda: Radboud University, 2018.

KNOX, R. S. C. A.; ZIPES, J. (Orgs.). The Oxford companion to fairy tales. New York: Oxford University Press, 2000. p. 64-66.

MACEDO, A. G. AMARAL, A. L. Dicionário de crítica feminista. Porto: Afrontamento, 2005.

MAZUCCHI-SAES, P. Imagens míticas na publicidade. In: RAMOS, C. Mitos: perspectivas e representações. Campinas: Alínea, 2005, p. 13-41.

MELETÍNSKI, E. M. Os arquétipos literários. Trad. Aurora Fornoni Bernardini, Homero Freitas de Andrade e Arlete Cavaliere. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998.

MEREGE, A. L. Os contos de fadas: origens, história e permanência no mundo moderno. São Paulo: Claridade, 2010 (Saber de Tudo).

MORAIS, G. A. L. F. A representação do modelo de herói clássico na personagem feminina Katniss Everdeen, de “Jogos vorazes”. 216f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura) Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista, 2018.

PROPP, V. I. Morfologia do conto maravilhoso. Trad. Jasna Paravich Sarhan. Organização e prefácio de Boris Schnaiderman. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2010.

QUINN, E. A dictionary of literary and thematic terms. 2 ed. New York: Facts on file, 2006.

RANDAZZO, S. A criação de mitos na publicidade: como os publicitários usam o poder do mito e do simbolismo para criar marcas de sucesso. Trad. Mário Fondelli. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

RUTLEDGE, A. A. Science Fiction and Fairy Tales. In: ZIPES, J. (Org.). The Oxford companion to fairy tales. New York: Oxford University Press, 2000. p. 451-456.

SCOTT, J. História das Mulheres. In: BURKE, P. A Escrita da História: Novas Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. p. 63-96.

STEPHENS, J. Woman Warrior. In: HAASE, D. (Org.). The Greenwood encyclopedia of folktales and fairy tales. Westport, Connecticut, London: Greenwood Press, 2008. p. 1035-1037.

TOKITA, J. F. A mulher na mitologia e dramaturgia irlandesa: o feminismo no mito de Deirdre, em peças de John M. Synge e Vincent Woods. 221f. Dissertação (Mestrado). Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas. São José do Rio Preto: Universidade Estadual Paulista, 2012.

VOGLER, C. A jornada do escritor: estruturas míticas para escritores. Trad. Ana Maria Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

ZOLIN, L. O. Crítica feminista. In: BONNICI, T. ZOLIN, L. O. (Org.). Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009, p. 217-242.

Publicado
2020-02-29