Dossiê Arte, Política e Design Ativista

07-09-2022

Uma das maneiras de se pensar a relação entre arte e política pode ser localizada no surgimento dos movimentos de vanguarda que vão questionar o papel da arte. Em conjunto, os movimentos propunham rupturas nas formas de representação tradicionais, confrontando o gosto da burguesia da época. A partir de seus manifestos, abriam diálogos com a tecnologia, com a relação entre sonho e realidade, com a diversidade (com motivos que tratavam dos trabalhadores, da cultura popular e dos povos originários). No limite, como no dadaísmo, provocaram a própria materialidade da arte, trazendo para os espaços de exibição elementos da cultura de massa e objetos de uso cotidiano.  

De lá para cá, assistimos a diversos momentos em que a arte se fez presente como elemento questionador da sociedade e da cultura. Para Adorno, a potência da arte está em seu elemento estético, por abordar questões políticas de forma sensível, alegórica e através de particularidades, pensadas a partir da noção de “constelações” utilizada por ele e Walter Benjamin. Ao seguir a tradição benjaminiana do importante texto "A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica", podemos pensar as relações entre arte e política na politização da arte, na experiência russa, assim como na estetização da política do nazifascismo.  

Com relação ao design, o entendemos como uma linguagem significativa que vem sendo utilizada por artistas e coletivos para criar elos entre a arte e a comunicação. Trabalhos de cunho feminista, como os de Barbara Kruger ou ainda do coletivo Guerrilla Girls, fizeram história ao propor aproximações desse tipo. No mundo contemporâneo, diversas ações vêm acontecendo com propósito similar, como a iniciativa Design Ativista, uma das frentes do Mídia Ninja com forte atuação em plataformas de redes sociais. 

Neste sentido de ampliação do debate, convidamos os autores a enviarem trabalhos sobre arte, política e design digital nos seus mais diversos campos: estudos de gênero; corpos racializados; artivismo; design ativista em redes sociais; arte, mídia e política; crítica institucional da arte, sociologia da arte, políticas públicas culturais, políticas da arte, etc.