Leituras sobre a (Ex)inclusão Linguística e Educacional do Aluno Surdo na Sala de Aula de Ensino Superior

Autores

  • Valéria da Silva Bezerra Universidade de Guarulhos (UNG)
  • Sueli Salles Fidalgo Univesidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Palavras-chave:

inclusão linguística e educacional, aluno surdo, educação superior inclusiva, língua brasileira de sinais

Resumo

A partir da década de 1990 surgiram leis que trouxeram garantias de direito à educação básica e superior para as pessoas com deficiência ou com necessidades educacionais específicas. Esse processo possibilitou o aumento da entrada desse público na academia. Sobre o aluno surdo, foco desse trabalho, a Lei nº 10436/02 e o decreto 5626/05 respaldaram a luta pelo direito a educação bilíngue e, com isso, valorizaram o uso da Libras em todos os níveis de ensino. Na educação superior tem sido garantido ao estudante surdo sinalizante o intérprete de língua de sinais e o acesso aos conteúdos por intermédio de sua língua. O objetivo deste estudo foi realizar uma revisão de publicações a partir de uma amostra qualitativa de cunho limitado sobre a inclusão linguística e educacional do aluno surdo no ensino superior brasileiro, a fim de compreender como acontece seu acesso e a permanência no nível de ensino. Concluímos que existem poucas publicações abordando a temática, o que demonstra a necessidade, ainda presente, de um olhar mais atento para este assunto. Diante da análise das publicações selecionadas percebemos que, apesar dos direitos aprovados pelo legislativo, a inclusão ainda não ocorre plenamente na prática. Segundo os trabalhos lidos, somente a presença do tradutor-intérprete na sala de aula não basta para a inclusão do estudante surdo. É preciso, também, que o docente do ensino superior reflita sobre as singularidades linguísticas e culturais do aluno surdo sinalizante ao construir suas práticas ao ministrar suas aulas.

Readings About Linguistic and Educational (Ex-)inclusion of Deaf Students in the University Context

Abstract

As of the 1990s, bills of law have passed to guarantee the right to primary, secondary and tertiary educations for people with specific educational needs. This has allowed for the increase in the numbers of people with NEE to enter the academic world. Specifically, about deaf students, the focus of this paper, Law number 10436/02 and Decree number 5626/05 are results of the struggle for the right of bilingual education, validating the use of Brazilian Sign Language across all teaching-learning levels. In tertiary education, for example, deaf students, speakers of Sign Language, have been ensured the right to an interpreter so as to have access, in their own language, to the content presented in class. We have thus reviewed publications, within the scope of linguistic and educational inclusion of deaf students in Brazilian universities to understand the means by which this access (and the student’s permanence) takes place. We have concluded that there are few works focusing on this theme, which indicates that there is still the need for a closer look at this matter. From the analyses of selected publications, we could notice that, despite the rights acknowledged through the laws, inclusion is still not fully in practice. According to the papers read, having a Sign Language interpreter-translator in the classroom is not enough to guarantee that the deaf student will be included. When planning their teaching strategies and procedures, the lecturer or professor also needs to be able to reflect about the linguistic uniqueness of the deaf student who communicates by Sign Language.

Keywords: educational and linguistic inclusion, deaf student, inclusive tertiary education, Brazilian sign language

Biografia do Autor

Valéria da Silva Bezerra, Universidade de Guarulhos (UNG)

Mestrado em Educação e Saúde
Universidade de Federal de São Paulo (UNIFESP)

Sueli Salles Fidalgo, Univesidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

Doutorado em Linguística Aplicada
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Referências

Bezerra, V. S. (2013). O sujeito surdo bilíngue: A construção do indivíduo surdo em meio a dois mundos e duas línguas, (Projeto de Iniciação Científica de Graduação). Universidade Federal de São Paulo. https://bv.fapesp.br/pt/pesquisador/667004

Bezerra, V. S. (2019). A Libras e sua capacidade de romper silêncios e criar laços no contexto familiar pais ouvintes de criança surda, (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Paulo.

Bisol, C. A., Valentini, C. B., Simioni, J. L., & Zanchin, J. (2010). Estudantes surdos no ensino superior: Reflexões sobre a inclusão. Cadernos de Pesquisa, 40(139). http://www.scielo.br/v40n139a08

Bisol, C. A., & Valentini, C. B. (2012). Desafios da inclusão: Uma proposta para a qualificação de docentes no Ensino Superior via tecnologias digitais. Revista Portuguesa de Educação (Universidade do Minho), 25(2), 2012. http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpe/v25n2

Cruz, J. I. G., & Dias, T. R. S. (2009). Trajetória escolar do surdo no ensino superior: Condições e possibilidades. Revista Brasileira Educação Especial, 15(1), 65-80. http://www.scielo.br/pdf/rbee/v15n1

Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. http://www.planalto.gov.br/d5626

Fernandes, S., & Moreira, L. C. (2017). Políticas de educação bilíngue para estudantes surdos: Contribuições ao letramento acadêmico no ensino superior. Educar em Revista, 1(3). http://www.scielo.br/pdf/er/nspe

Fidalgo, S. S. (2018). A linguagem da exclusão e inclusão social na escola. Editora UNIFESP.

Freire, P. (2005). Pedagogia do oprimido. Editora Paz e Terra.

Freire, P., & Betto, F. (2004). Escola chamada Vida: Depoimentos ao repórter Ricardo Kotscho. Editora Ática.

Goes, M. C. R. (2012). Linguagem, surdez e educação, (4a ed. rev.). Autores Associados.

Guarinello, A. C., Santana, A. P., Figueiredo, L. C., & Massi, G. (2008). O intérprete universitário da língua brasileira de sinais na cidade de Curitiba. Revista Brasileira Educação Especial, 14(1). http://www.scielo.br/rbee/v14n1

Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/2002/L10436

Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. www.planalto.gov.br/2015/lei13146

Lei nº 13.409 de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, dispõe sobre a reserva de vagas para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e superior das instituições federais. http://www.planalto.gov.br/L12711

Machado, E. E., Teixeira, D. E., & Galasso, J. B. (2017). Concepção do primeiro curso online de pedagogia em uma perspectiva Bilíngue libras-português. Revista Brasileira Educação Especial, 23(1). http://www.scielo.br/pdf/rbee/v23n1

Martins, S. E. S. O., & Napolitano, C. J. (2017). Inclusão, acessibilidade e permanência: Direitos de estudantes surdos à educação superior. Educar em Revista, 33(n. especial 3). http://www.scielo.br/er/nspe.3

Perlin, G. T. T. (1998). Identidades Surdas. In C. Skliar (Org.), A surdez: Um olhar sobre as diferenças. Editora Mediação.

Pinheiro, L. M. (2018). Adaptações curriculares na inclusão escolar de alunos surdos: Intervenções colaborativas, (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Paulo.

Sacks, O. (1989). Vendo vozes: Uma jornada pelo mundo dos surdos. Editora Imago.

Skliar, C. (1998). Apresentação. In C. Skliar (Org.), A surdez: Um olhar sobre as diferenças. Editora Mediação.

Vygotsky, L. S. ([1931] 1997). La colectividad como factor de desarrollo del niño deficiente. In L. S. Vygotsky, Obras escogidas V: Fundamentos de defectologia. Editorial Visor.

Vygotsky, L. S. ([1934] 2001). Pensamento e linguagem. In R. C. Mores (Ed.), Versão para ebook. Editora eBookBrasil.

Vygotsky, L. S. ([1934] 1991). Formação social da mente. Editora Martins Fontes.

Downloads

Publicado

18-09-2022

Como Citar

Bezerra, V. da S., & Fidalgo, S. S. (2022). Leituras sobre a (Ex)inclusão Linguística e Educacional do Aluno Surdo na Sala de Aula de Ensino Superior. Revista Letra Magna, 18(30). Recuperado de https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/magna/article/view/2145