Fenômenos de estetização no mundo digital e a docilização de corpos tatuados

Palavras-chave: Aesthetic, Tatuagem, Instagram, Instagramismo, Celebridade

Resumo

A composição visual e estética das redes sociais indica tendências para o emprego de novas disciplinas sobre o corpo. Neste trabalho, observamos que existem nelas alguns padrões em torno de fenômenos estéticos, como o estilo aesthetic e os padrões Seapunk e Vaporwave. Dentro deles, procuramos entender como se inserem os corpos tatuados, considerando sua origem ritualística, transgressora e imersa no universo da contracultura. Para tanto, faremos um percurso no universo de imagens contemporâneas, mostrando como o corpo tatuado vem sendo docilizado pelo mercado e a comunicação de massa e como esses padrões se repetem nas redes sociais, sofrendo interferência da estética em torno delas criada.

Biografia do Autor

Júlia Cabral Rinaldi, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Mestrado em Linguagens, Mídia e Arte pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas). Graduação em Publicidade e Propaganda pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Tarcisio Torres Silva, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas)

Doutorado em Artes Visuais pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestrado em Artes pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Graduação em Ciencias Sociais pela Universidade de São Paulo (USP). Graduação em Comunicação Social pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Referências

Camargo, H. W., & Stefaniczen, J. (2016). Taxonomia fotográfica: uma proposta metodológica para a pesquisa dos selfies em redes sociais. Discursos Fotográficos, 12 (20), 38-62.

Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo: Comentários sobre sociedade do espetáculo. Contraponto.

Foucault, M. (2017). História da sexualidade 1: A vontade de saber. Editora Paz e Terra.

Lipovetsky, G., & Seroy, J. (2015). A estetização do mundo: Viver na era do capitalismo artista. Companhia das Letras.

Manovich, L. (2016a). Instagram and Contemporary Image. Creative Commons License.

Manovich, L. (2016b). What Makes Photo Cultures Different? MM’16, p.15-19.

Marques, T. (1997). O Brasil tatuado e outros mundos. Editora Rocco.

Rancière, J. (2004). The politics of aesthetics: The distribution of the sensible. Continuum.

Sibilia, P. (2016). O show do Eu: A intimidade como espetáculo. Contraponto.

Publicado
2022-06-13