Escrita digital em defesa da ciência e educação linguística

Palavras-chave: Texto digital nativo, Pandemia, Análise do discurso digital

Resumo

Durante a pandemia de covid-19, as redes sociais tornaram-se locus de divulgação e de defesa da ciência. Cientistas que divulgaram informações sobre o coronavírus tornaram-se influenciadores. Analisar esses textos na escola pode ser uma importante ferramenta para a promoção da educação linguística. Entretanto, alguns desafios impõem-se para abordar a escrita de textos digitais nativos. Um deles é perceber que a escrita digital manifesta-se de forma diferente da pré-digital. Partindo dessa problemática, o objetivo deste trabalho é refletir sobre como se dá a escrita de um texto digital nativo destinado à divulgação e à defesa da ciência em uma rede social. Para isso, analisamos as postagens da cientista Natália Pasternak no Twitter, após sua participação na CPI da Pandemia, em um período de 10 dias, sob o arcabouço da Análise do Discurso Digital (ADD). Foi possível perceber os principais recursos de que ela se valeu para continuar defendendo sua posição, como a hibridização e a deslinearização. O uso de imagens associados a elementos verbais e o compartilhamento de textos de outros ecossistemas funcionaram como argumentos em defesa da ciência. Concluiu-se que a educação linguística só ocorre quando for integrada à discussão das novas práticas exigidas para a análise de tecnotextos.

Biografia do Autor

Daiana Campani, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Graduação em Letras Português pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Maria Eduarda Giering, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Pós-doutorado em Linguística pela Universidade de Paris-Sorbonne IV, França (UP IV). Doutorado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Mestrado em Teoria Literária pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS).  Especialização em Literatura Infanto-Juvenil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Graduação em Letras Português e Literatura pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

Brasil. Senado Federal (2021). CPIPandemia. Brasília, DF.

Brasil. Ministério da Educação (2017). Base Nacional Comum Curricular.

Charaudeau, P. (2010). A patemização na televisão como estratégia autenticidade. In E. Mendes, & I. Machado. As emoções no discurso (pp.140-150). Mercado Letras.

Marcuschi, L. A (2012). Linguística do texto: O que é e como se faz? Parábola Editorial.

Nunes, D. S. (2019). Estratégias patêmicas em artigos de popularização da ciência para crianças no domínio midiático digital,[Dissertação de Mestrado]. Unisinos.

Pasternak, N. (2021, 27 março). Cinco negacionismos do governo que tornaram a marca da pandemia no Brasil. O Globo.

Paveau, M (2021). Análise do discurso digital: Dicionário das formas e das práticas, (J. L. Costa & R. L. Baronas, Trad). Pontes Ed.

Pellegrini, A (2021, 2 abril). O sucesso dos cientistas influencers no Twitter. Nexo.

Rojo, R., & Moura, E. (Org.).(2012). Multiletramentos na escola. Parábola Ed.

Travaglia, L. C. (2003). Gramática: Ensino plural. Cortez.

Twitter (2021). Como criar uma sequência no Twitter. Central de Ajuda.

Science Pulse & IBPAD (2020). Principais vozes da ciência no Twitter: Mapeando a conversa de cientistas e especialistas sobre a Covid-19.

Vogt, C. (2003). A espiral da cultura científica. Comciência.

Zamboni, L. M. S (2001). Cientistas, jornalistas e a divulgação científica: Subjetividade e heterogeneidade no discurso divulgação científica. Autores Associados.

Publicado
2022-06-13