Compreensão do discurso e produção do sentido pela ótica da complexidade

Palavras-chave: Sistemas Adaptativos Complexos, Interdiscurso, Relações de poder

Resumo

Este artigo, resultante de uma revisão bibliográfica, tem como objetivo proporcionar uma alternativa epistemológica que permita ampliar a compreensão do conceito de discurso e a produção de sentido, a partir da metáfora dos sistemas adaptativos complexos (SAC), sustentada em alguns dispositivos propostos por Orlandi (1999, 2020), como, por exemplo, a memória, a historicidade, o interdiscurso e as condições de produção para a produção de sentido. Nesse sentido, é importante entender o discurso e a produção de sentido, analisando-os a partir das propriedades dos SACs tais como heterogeneidade, dinamicidade, não-linearidade, abertura e adaptação. Tal análise permite ao leitor compreender os sentidos existentes em discursos materializados historicamente através das relações de poder. A partir das discussões realizadas neste trabalho, depreendemos que o discurso, como prática de linguagem, possui sentido aberto e incompleto, evidenciando sua abertura e dinamicidade por meio do interdiscurso e da historicidade, para além das relações causais e lineares entre sujeitos e sentidos. A compreensão desses aspectos contribui para identificar e enfrentar as desigualdades nas relações de poder articuladas através dos discursos.

Biografia do Autor

Gasperim Ramalho de Souza, Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Doutorado em Estudos da Linguagem pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialização em Educação Especial e Inclusiva pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Graduação em Letras Inglês pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Adriana Alves Pinto, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG)

Mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialização em Produção de Material Didático Utilizando o Linux Educacional pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Graduação em Letras Português pela Faculdade Educacional da Lapa (FAEL).

Maria Fernanda Lacerda de Oliveira, Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES)

Mestrado em Estudos de Linguagens pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Especialização em Educação a Distância pela Universidade Estadual de Montes Claros (UNIMONTES). Graduação em Letras pela Universidade Metropolitana de Santos (UNIMES). 

Referências

Bentes, A. C. (2001). Linguística Textual. In F. Mussalim, & A. C. Bentes (Org.), Introdução à linguística: Domínios e fronteiras, (p. 245-285). Cortez.

Capra, F. (1996). A teia da vida: Uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Cultrix.

Eckert-Hoff, B. M. (2008). Escrituras de si e identidade: O sujeito-professor em formação. Mercado de Letras.

Foucault, M. (2014). A ordem do discurso. (L. F. de A. Sampaio, Trad.). Edições Loyola.

Jewitt, C. (Ed.). (2009). Routledge Handbook of Multimodal Analysis. Routledge.

Lakoff, G., & Johnson, M. (2003) Metaphors we live by. University of Chicago Press.

Larsen-Freeman, D. (1997). Chaos/Complexity Science and second language acquisition. Applied Linguistics, 18 (2), 141-165, doi 10.1093/applin/18.2.141.

Larsen-Freeman, D., & Cameron, L. (2008). Complex systems and applied linguistics. Oxford University Press.

Lordes, A. W. (2014). Análise do Discurso: O nascimento de uma disciplina Interdisciplinar. In V Congresso de Análise do Discurso: Novos Canteiros de trabalho? Universidade Federal de São Carlos.

Maingueneau, D. (1997). Novas tendências em análise do discurso. Pontes.

Mussalin, F., & Bentes, A. C. (Orgs.). (2009). Introdução à linguística: Domínios e fronteiras. Cortez.

Nascimento, T. C. (2016). Metáforas no pensamento e no discurso: Uma análise cognitivo-discursiva da fala de aprendizes de inglês língua estrangeira sobre sua experiência aprendizagem, [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal de Minas Gerais.

Orlandi, E. P. (1995). Texto e discurso. Revista Organon, 9 (23), 111-118, doi 10.22456/2238-8915.29365

Orlandi, E. P. (2001). Interpretação: Autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Vozes.

Orlandi, E. P. (1999). Análise de discurso: Princípios e procedimentos. Unicamp.

Orlandi, E. P. (2004). Cidade dos sentidos. Pontes.

Orlandi, E. P. (2020). Análise de discurso: Princípios e procedimentos. Unicamp.

Paiva, V. L. M. O., & Nascimento, M. (2009). (Org.). Sistemas adaptativos complexos: Lingua(gem) e Aprendizagem. Pontes.

Paiva, V. L. M. O. (2016). Lingua(gem) como sistema complexo e multimodalidade. ReVEL, 14 (27), 331-344.

Parreiras, V. A. (2005). A sala de aula digital sob perspectiva dos sistemas complexos: Uma abordagem qualitativa. [Tese de Doutorado]. Univ. Federal de Minas Gerais.

Pêcheux, M. (2006). O discurso: Estrutura ou acontecimento, (E. P. Orlandi, Trad.). Pontes Editores.

Waldrop, M. M. (1992). Complexity: The emerging science at the edge of order and chaos. Simon and Schuster.

Publicado
2022-06-13