O NÚMERO DE EULER: CONTRIBUIÇÕES E POSSIBILIDADES PARA A ESCOLARIDADE BÁSICA.

Resumo

Na escolaridade básica, o momento de introdução dos números irracionais - um tema teórico – revela uma série de obstáculos de ordem epistemológica e didática, principalmente situados numa exposição oposta ao modo pragmático como é realizado o desenvolvimento dos números racionais. Dentre os poucos números irracionais usualmente trabalhados no currículo de Matemática Elementar, o presente texto se propôs a apontar e discutir referenciais que permitam a abordagem significativa do número de Euler na escolaridade básica. O referencial teórico se situa no entendimento do processo de transposição didática, conforme Chevallard, Bosch e Gascón (2001), que permite compreender o conjunto das transformações que sofre certo saber científico, para se constituir em objeto de ensino compreensível ao aprendiz. Como metodologia recorremos a epistemologia do conhecimento matemático dos números reais para levantar mecanismos de ordem didática e epistemológica com relação ao número de Euler. Nossas análises apontam para a epistemologia presente no par exato/aproximado, associado a idéia de infinito, que podem intercambiar com aspectos da problematização, do  conhecimento como rede (Machado, 2001), a intra e interdisciplinaridade e o uso as fontes computacionais como portadores de um espaço de significação para a abordagem do número de Euler no ensino básico.

Biografia do Autor

Wagner Marcelo Pommer, UNIFESP- Diadema DECT

Trabalho atualmente no curso de Ciências- Licenciatura, da UNIFESP, campus Diadema-SP. Sou bacharel em Engenharia Mecânica pela Universidade Mackenzie (1983) e Física pela PUC/SP (1996). Tenho especialização em Matemática, pela Universidade São Judas Tadeu (1995), mestrado acadêmico em Educação Matemática (PUSP, 2008) e doutorado em Educação (FEUSP, 2012). Minha experiência em pesquisas se situa nos seguintes temas: Teoria Elementar dos Números, Equação Diofantina Linear, Frações Contínuas e Números Irracionais. Na parte teórico-metodológica o enfoque envolve a Didática da Matemática Francesa, especialmente na Engenharia Didática de Brousseau e Artigue, nos Registros de Representação Semiótica de Duval, na Teoria do Antropológico de Chevallard, na Metacognição e nos Núcleos de Significação.

 

http://lattes.cnpq.br/4262149292744127

 

Referências

AUGUSTO, A. Esses engenheiros fantásticos e suas calculadoras maravilhosas. Disponível em: <http://alvaroaugusto.blogspot.com/2007/02/esses-engenheiros-fantsticos-e-suas.html>. Acesso em: 18 jan. 2009.

AURELIO. Dicionário eletrônico. 2003. CD-Room.

BESKIN, N. M. Frações Contínuas. Tradução de Pedro Lima. Editora Mir, Moscou, 1987.

BOFF, D. S. A CONSTRUÇÃO DOS NÚMEROS REAIS NA ESCOLA BÁSICA. Dissertação de Mestrado Profissionalizante. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

BONOMI, M. C. Os números irracionais e as calculadoras. São Paulo: SEMA/USP, 1 sem 2008.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: SEMT/MEC. 1997.

_______. Parâmetros Curriculares Nacionais: 3° e 4° ciclos do Ensino Fundamental: Matemática. Brasília: MEC/SEF. 1998

BROUSSEAU, G. Fundamentos y Metodos de la Didátcica de las Matemáticas. Recherches en Didactique de matématiques, v. 7, n. 2, p. 33-115, 1986.

CHEVALLARD, Y. El Análisis de las prácticas docentes em la teoria antropológica de lo didáctico. Recherches em Didactique dês mathématiques, Espanha, v. 19, n. 2, p. 221-266, 1999.

CHEVALLARD, Y.; BOSCH, M.; GASCÓN, J. Estudar Matemáticas: O elo perdido entre o ensino e a aprendizagem. Tradução de: Daisy Vaz de Moraes. Porto Alegre: ArtMed, 2001.

COPI, I. M. Introducción a la logica. 13. ed. Buenos Aires: Eudeba, 1973.

COSTA, L. V. C. Números Reais no Ensino Fundamental: Alguns Obstáculos Epistemológicos. 2009. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade de São Paulo, São Paulo.

FIGUEIREDO, D. G. Números Irracionais e Transcendentes. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Matemática, 1985.

FISCHBEIN, E.; JEHIAM, R.; COHEN, D. The Concept of Irrational Numbers in High-School Students and Prospective Teachers. Educational Studies in Mathematics. jul. 1995, v. 29, n. 1, p. 29-44. Disponível em: . Acesso em 12 dez. 2011.

IEZZI, G. et al. Fundamentos da Matemática Elementar. São Paulo: Editora Atual, 2006.

LEVIATHAN, T. Introducing real numbers: when and how? Proceedings of ICME 10, 2004.

LIMA, E. L. Conceitos e Controvérsias. Revista do Professor de Matemática. v. 2, p. 6-12, 1983.

MACHADO, N. J. A Universidade e a organização do conhecimento: a rede, o tácito, a dádiva. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 42, 2001. Disponível em<http://www. scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0103-40142001000 200018&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 ag. 2008.

______________. Matemática e Língua Materna. São Paulo: Editora Cortez, 1990.

MAOR, E. e: A História de um Número. 5. ed. Trad. Jorge Calife. Rio de Janeiro: Editora Record, 2008.

O’CONNOR, J. J.; ROBERTSON, E. F. The number e. Setembro, 2001. Disponível em: <http://www-history.mcs.st-andrews.ac.uk/HistTopics/e.html >. Acesso em 19 out. 2009.

OLIVEIRA, H.; VARANDAS, J. M. O número e. Lisboa, Depto de Educação da Faculdade de Ciências. 1998. Disponível em: <http://www.educ.fc.ul.pt/ icm/ icm99/icm17/numeroe.htm>. Acesso em: 12. ag. 2009.

PAIS, L. C. Transposição Didática. In: MACHADO, S. D. A. (org.). Educação Matemática: uma introdução. São Paulo: EDUC, p. 13-41, 2002.

POMMER, W. M. A Construção de significados dos Números Irracionais no ensino básico: Uma proposta de abordagem envolvendo os eixos constituintes dos Números Reais. 2012. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

ROSETTI JR., R.; SCHIMIGUEL, J. História do dinheiro, matemática financeira e a educação matemática. Revista Gestão Universitária. Edição 256, 2011.

SONDOW, J. A Geometric Proof that e is Irrational and a Measure of its Irrationality. Disponível em: <http://home.earthlink.net/~jsondow//arxiv.org/ftp/arxiv/papers/0704/0704.1282.pdf>. Acesso em: 29 ag. 2010.

REZENDE, W. M. O Ensino de Cálculo: Dificuldades de Natureza Epistemológica. 2003. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo.

SÃO PAULO. Proposta Curricular do Estado de São Paulo: Matemática/ Ensino Fundamental (ciclo II) e Médio. São Paulo: SEE, 2008.

SOARES, E. F., FERREIRA, M. C. C.; MOREIRA, P. C. Números Reais: Concepções dos Licenciandos e Formação Matemática na Licenciatura. ZETETIKÉ-CEMPEM. FE/UNICAMP, v. 7, n. 12, p. 95-117, jul-dez. 1999.

SPOLAOR, S. L. G. Números Irracionais: π e e. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática). Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação. São Carlos: Universidade de São Paulo, 2013.

SILVA, A. L. V. Números reais no ensino médio: identificando e analisando imagens conceituais, 2011. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SIROTIC, N.; ZAZKIS, R. IRRATIONAL NUMBERS: THE GAP BETWEEN FORMAL AND INTUITIVE KNOWLEDGE. Educational Studies in Mathematics, 2007. p. 49–76. Disponível em: <http://blogs.sfu.ca/people/zazkis/wp-content/uploads/2010/05/2007-irrationals-gap-formal-intuitive.pdf>. Acesso em: 11 ago. 2011.

VIANNA, C. R.; CURY, H. N. Ângulos: uma “História” escolar. Revista História&Educação Matemática, v.1, n.1, p. 23-37, jan.-jun., 2001.

VIEIRA, A. À procura do número e. Portugal, Instituto Tecnológico e Nuclear, 2008. Disponível em: < http://fisica.ist.utl.pt/~pulsar/problemas.html>.

ZAZKIS, R.; SIROTIC, N. MAKING SENSE OF IRRATIONAL NUMBERS: FOCUSING ON REPRESENTATION. Proceedings of the 28th Conference of the International. Group for the Psychology of Mathematics Education, 2004. v. 4 p. 497–504. Disponível em: <http://www.emis.de/proceedings/PME28/RR/RR082_Zazkis.pdf>. Acesso em: 08 ago. 2011.

Publicado
2017-12-31
Seção
Artigos