AS PESQUISAS BRASILEIRAS E O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA DV´S INCLUSOS: UMA REVISÃO CATEGORIZADA

Resumo

O artigo aqui apresentado[1] traz os resultados de uma pesquisa vinculada ao Programa de Iniciação Científica da Universidade Estadual do Paraná/Campus de Campo Mourão, desenvolvida pelo primeiro autor[2] e sob a orientação do segundo. Buscou-se traçar um panorama atualizado das pesquisas que versam sobre o ensino de Matemática para DV’s inclusos e que foram publicadas em periódicos científicos brasileiros online da área de Ensino e Educação Especial, no período de 2006 à 2016. O objetivo foi o de identificar os principais aspectos abordados nessas pesquisas. Os resultados aqui apresentados são expressos por meio de quatro categorias, construídas a partir dos objetivos principais enunciados em cada um dos 25 textos encontrados. Com os objetivos dos textos elencados, o processo de categorização se deu pela convergência entre os interesses comuns das investigações. As categorias construídas foram: Comunicação e linguagem nas aulas de Matemática para alunos DV’s, Pesquisas acerca do ensino de Matemática para DV’s e o destaque à geometria, Tecnologias Assistivas no ensino de Matemática para deficientes visuais e A formação de professores de Matemática e os alunos DV’s.


[1] O presente artigo é uma versão ampliada de outro, publicado nos Anais do XIV Encontro Paranaense de Educação Matemática.

[2] Pesquisa financiada por meio de bolsas de estudos pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPQ. 

Referências

BRANDÃO.C.B. A Matemática por trás da Orientação e Mobilidade. Revista do Instituto Benjamin Constant. Rio de Janeiro, Edição 42, Artigo 1, abril de 2009.

CARLOS, D.L.; VILARONGA, C.A.R.; TONON, S. Inclusão do aluno com baixa visão: colaboração entre o educador especial e o professor da sala comum. Revista do instituto Benjamin Constant. Rio de Janeiro, Edição 56, artigo 1, dezembro de 2013.

COSTA, A. B.; COZENDEY, S.G. O ensino de Matemática para pessoas com deficiência visual no Brasil: um estudo bibliográfico. Revista do Instituto Benjamin Constant. Rio de Janeiro, ano 20, n. 57, v. 1, p. 38-51, 2014.

DECLARAÇÃO de Salamanca sobre Princípios, Política e Prática em Educação Especial. Salamanca: S.l., 1994. Disponível em: Acesso em: 01 março de 2017.

FELDENS, M.G.F. Os propósitos da revisão de literatura e o desenvolvimento da pesquisa educacional. Ciência e Cultura. v.33, n.9, p.1197-1199, 1981.

FIGUEROA, T.P.; FÁVERO, M.B.F.; ALMEIDA, B. L. C.; SANTOS, J.R. Tecnologias Concretas e Digitais Aplicadas ao Processo de Ensino-Aprendizagem de Matemática Inclusiva. Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Ano 19, número 32, p.52-60, 2011.

FERREIRA, W. B. Práticas educacionais inclusivas na sala de aula regular. III Seminário

Nacional de Formação de Gestores e Educadores – Ensaios Pedagógicos. Ministério

da Educação. Secretária de Educação Especial. Brasília, 2006. Disponível em:

portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/materiais/0000013526.pdf >. Acesso em: 01 março de

GELLER, M.; SGANZERLA, M.A.R. Reflexões de Professores sobre Tecnologias Assistivas e o Processo de Ensino e Aprendizagem de Matemática. Revista de ensino de ciências e Matemática. Rio Grande do Sul, v. 16, n. 4, p.116-137, 2014.

GLAT, R.; NOGUEIRA, M.L.L. Políticas Educacionais e a Formação de Professores para a Educação Inclusiva no Brasil. Revista Integração, Brasília, v. 24, ano 14, p. 22-27, jan., 2002.

MALOSSI, L. F. S. B.; MANESTRINA, T. C.; MANDLER, M. L.; MENESTRINA, L.C. Uma perspectiva sobre a inclusão de cegos: considerações de uma professora de Matemática. Revista do Instituto Benjamin Constant, Rio de Janeiro, ano 21, n. 58, v. 1, p. 30-48, 2015.

MARCHI, M. I.; SILVA, T. N.C. Formação continuada de professores: buscando melhorar e facilitar o ensino para deficientes visuais por meio de tecnologias assistivas. Revista Educação Especial. Rio Grande do Sul, v. 29, n. 55, p. 457-470, 2016.

MELLO, E. M. O Professor, Alunos Cegos e a Linguagem Matemática. Revista Paranaense de Educação Matemática. Paraná, v.2, n.2, p.132-143,2013.

PAPACOSTA, A.R.; CIVARDI, J. A.; DIAS, M. E. S. Adaptações no Software GeoGebra para Alunos com Baixa Visão. Sociedade Brasileira de Educação Matemática. Ano 20, número 47, p.21-28, dezembro de 2015.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares de Matemática para a Educação Básica. Curitiba, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_mat.pdf. Acesso em: 28 de setembro de 2017.

PASQUARELLI, R. C. C.; MANRIQUE, A.L. A inclusão de estudantes com deficiência visual no ensino e aprendizagem de estatística: medidas de tendência central. Educação Matemática Pesquisa. São Paulo, v.18, n.1, pp. 309-329, 2016.

ROSA, F.M.C.; BERALDI, I.M. O uso de narrativas (auto)biográficas como uma possibilidade de pesquisa da prática de professores acerca da Educação (Matemática) Inclusiva. Boletim de Educação Matemática. Rio Claro (SP), v. 29, n. 53, p. 936-954, 2015.

ULIANA, M. R. Inclusão de Estudantes Cegos nas Aulas de Matemática: a construção de um kit pedagógico. Boletim de Educação Matemática. Rio Claro (SP), v. 27, n. 46, p. 597-612, 2013.

UNESCO. Organizações das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Declaração Mundial sobre Educação Para Todos (Conferência de Jomtien). Tailândia: Unesco, 1990. Disponível em:

Publicado
2017-12-31
Seção
Comunicações Científicas