PRIMEIRO COLÓQUIO BRASILEIRO DE MATEMÁTICA: UMA BREVE APRESENTAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO FEMININA

  • Angélica Raiz Calábria Centro Universitário Hermínio Ometto (UNIARARAS)
  • Mariana Feiteiro Cavalari Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)

Resumo

Embora as mulheres brasileiras tenham adquirido o direito de cursar o nível superior no final do século XIX, o marco do acesso feminino a esse nível de ensino foi a criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Paulo, em 1934. Nessa faculdade, teve início o primeiro curso brasileiro de graduação em Matemática. Outros cursos de matemática foram criados nos anos 1930, 1940 e 1950. Dentre os egressos desses cursos, podem ser identificadas algumas mulheres. Em tal período, foram, também, obtidos, no Brasil, doutoramentos na área de Matemática e alguns destes doutores eram mulheres. Com base nestas informações, podemos afirmar que, o grupo de pesquisadores brasileiros que se dedicava à matemática estava crescendo e, nele, podiam ser identificadas algumas mulheres. Nesse contexto, iniciou-se a criação de eventos e periódicos científicos para que os matemáticos pudessem divulgar suas pesquisas e manter intercâmbio científico. O evento científico pioneiro, no Brasil, a reunir exclusivamente matemáticos foi o Colóquio Brasileiro de Matemática que teve sua primeira edição organizada, em 1957, em Poços de Caldas/MG. Assim, realizamos uma investigação com o intuito de identificar a presença das mulheres nesse evento. Com base em documentos e fotografias do Primeiro Colóquio Brasileiro de Matemática e em depoimentos de participantes desse evento, identificamos seis mulheres participantes: Eliana Rocha Henriques de Brito, Elza Furtado Gomide, Francisca Maria Rodrigues Torres, Júnia Borges Botelho, Lourdes de la Rosa Onuchic e Marília Chaves Peixoto. Elaboramos, então, breves biografias dessas professoras, apontando suas trajetórias acadêmicas e suas principais contribuições para a Matemática brasileira. 

Referências

ATAS do Primeiro “Colloquium” Brasileiro de Matemática. São Paulo: Conselho Nacional de Pesquisas, 1957.

AZEVEDO, N.; FERREIRA, L. O. Modernização, políticas públicas e sistema de gênero no Brasil: educação e profissionalização feminina entre as décadas de 1920 e 1940. Cadernos Pagu, Campinas, n. 27, p. 213-254, 2006.

BADIN, M. G. Um olhar sobre as contribuições do professor Nelson Onuchic para o desenvolvimento da matemática no Brasil. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2006.

CALABRIA, A. R. Primeiro Colóquio Brasileiro de Matemática: breve histórico e pequenas biografias de seus participantes. 2010. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2010.

CALABRIA, A. R.; NOBRE, S. R. Primeiro Colóquio Brasileiro de Matemática: registros e personagens. REMATEC (Revista de Matemática, Ensino e Cultura), Natal, EDUFRN, n. 12, jan-jun 2013, p. 86-100.

CAVALARI, M. F. A matemática é feminina? Um estudo histórico da presença da mulher em institutos de pesquisa em Matemática do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2007.

CAVALARI, M. F. “Elza Furtado Gomide”: pioneira em pesquisa e docência em Matemática na USP Campus São Paulo. In: ENCONTRO MINEIRO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 5., 2009, Lavras, MG. Anais virtuais... Lavras, MG: Editora da Universidade Federal de Lavras, 2009.

CAVALARI, M. F. As contribuições de Chaim Samuel Hönig para o desenvolvimento da matemática brasileira. 2012. Tese (Doutorado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2012.

CAVALARI, M. F. Lourdes Onuchic. In. VALENTE, W. R. (Org.) Educadoras matemáticas: memórias, docência e profissão. São Paulo: Livraria da Física, 2013.

CAVALARI, M. F. Breves considerações acerca dos cursos de graduação em matemática nas décadas de 1930 a 1950 no Brasil. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA, 11., 2015, Natal, RN. Anais virtuais... Natal, RN: SBHMat, 2015.

D’AMBROSIO, U. Uma história concisa da matemática no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

FORMOSO, F. Francisca Torres [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 04 mai. 2016.

HÖNIG, C. S.; GOMIDE, E. F. História das Ciências Matemáticas. In: MOTOYAMA, S.; FERRI, M. G. (Coord.). História das ciências no Brasil. São Paulo: Editora da USP, 1979. v. 1.

INSTITUTO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DE COMPUTAÇÃO – ICMC (USP). Pessoas. Lourdes Onuchic. Disponível em: <http://icmc.usp.br/Portal/Pessoas/Detalhes.php?id=64958>. Acesso em: 11 mai. 2016.

INSTITUTO DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA - IMPA. IMPA 50 anos. 1. ed. Rio de Janeiro: IMPA, 2003. Disponível em: <http://www.impa.br/downloads/livro_impa_50_anos.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2016.

LIMA, E. L. Os cursos dos Colóquios Brasileiros de Matemática. Matemática Universitária, n. 19, SBM, pp. 01-11, dez. 1995.

MELO, H. P. de; RODRIGUES, L. M. C. S. Marília Chaves Peixoto (1921-1961) - Matemática. 2005. Disponível em: <http://memoria.cnpq.br/web/guest/pioneiras-view/-/journal_content/56_INSTANCE_a6MO/10157/902875>. Acesso em: 11 mai. 2016.

ONUCHIC, L. R. Depoimento sobre o Primeiro Colóquio Brasileiro de Matemática. 10 de maio de 2016. Depoimento para: Angélica Raiz Calábria na UNESP de Rio Claro.

RODRIGUES, A. A. M. Curriculum Vitae disponível na Plataforma Lattes. Atualização: 2008. Disponível em: <http://lattes.cnpq.br/0547397388018816>. Acesso em: 11 mai. 2016.

SILVA, C. M. da. Polytechnicians or mathematicians? História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p. 891-908, oct./dec. 2006.

SILVA, C. P. Sobre o início e consolidação da pesquisa matemática no Brasil: parte I. Revista Brasileira de História da Matemática: an international journal on the History of Mathematics, v. 6, n. 11, p. 67-96, 2006.

SILVA, C. P. Sobre o início e consolidação da pesquisa matemática no Brasil: parte II. Revista Brasileira de História da Matemática: an international journal on the History of Mathematics, v. 6, n. 12, p. 165-196, 2006.

SILVA, C. P. Aspectos históricos do desenvolvimento da pesquisa matemática no Brasil. São Paulo: Livraria da Física; SBHMat, 2009.

SMITH, B. G. Gênero e história: homens, mulheres e prática histórica. Bauru: EDUSC, 2003.

SOUTO, R. M. A. Mario Tourasse Teixeira – o homem, o educador, o matemático. 2006. Tese (Doutorado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2006.

TOLEDO, J. C. Uma história do processo de institucionalização da área de análise matemática no Brasil. 2008. Tese (Doutorado em Educação Matemática)-Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP, Rio Claro, 2008.

TRIGO, M. H. B. A mulher universitária: códigos de sociabilidades e relações de gênero. In: BRUSCHINNI. C.; SORJ, B. (Org.). Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São Paulo: Marco Zero; Fundação Carlos Chagas, 1994. p. 89-110.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – UFRJ. Eliana Rocha Henriques de Brito. Disponível em: <http://www.im.ufrj.br/doc/eliana.htm>. Acesso em: 11 mai. 2016.

Publicado
2016-12-31
Seção
Artigos