O QUINTO POSTULADO DE EUCLIDES COMO HISTÓRIA DE PROBLEMAS

  • Línlya Sachs Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Resumo

Neste artigo, temos como propósito apresentar uma reconstrução histórica feita com fins historiográficos do surgimento das geometrias não euclidianas como resultado das discussões em torno do quinto postulado de Euclides. Para isso, recorremos à história de problemas, por entendermos que ela se adequa ao tema em questão e ao propósito historiográfico. Utilizamos fontes historiográficas, traduções e edições de fontes primárias, textos matemáticos posteriores ao período histórico e textos filosóficos. Apresentamos a reconstrução histórica em três partes, que retratam fases no desenvolvimento do problema e das tentativas de solucioná-lo. A primeira contextualiza a escrita do livro Os Elementos, por Euclides, e as questões iniciais em torno do quinto postulado – como, por exemplo, outras formas de enunciá-lo. A segunda apresenta as tentativas de prova do quinto postulado, em períodos e locais diversos e por que elas não foram bem-sucedidas. A terceira e última parte mostra o surgimento das geometrias não euclidianas a partir das discussões anteriores. 

Referências

ARCARI, I. Um texto da geometria hiperbólica. 2008. 127 p. Dissertação (Mestrado em Matemática) – Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

BARBOSA, L. N. S. C. Uma reconstrução histórico-filosófica do surgimento das geometrias não euclidianas. 2011. 68 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2011.

BARBOSA, L. N. S. C.; SILVA, M. R. A participação da história no ensino de matemática: pontos de vista historiográfico e pedagógico. Zetetiké, Campinas, v. 21, n. 39, p. 103-120, jan./jun. 2013.

BARKER, S. T. Filosofia da matemática. Tradução de L. Hegenberg e O. Silveira da Mota. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

BICUDO, I. Introdução e tradução. In: EUCLIDES. Os elementos. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

BONOLA, R. Non-euclidean geometry: a critical and historical study of its development. Tradução de H. S. Carslaw. New York: Dover, 1955.

BRITO, A. J. Geometrias não-euclidianas: um estudo histórico-pedagógico. 1995. 187 p. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

CHABERT, J. L. Proving the Fifth Postulate: true or false? In: THE INTER-IREM COMMISSION. History of mathematics, histories of problems. Paris: Ellipses, 1997. p. 285-305.

CARNAP, R. An introduction to the philosophy of science. New York: Dover, 1995.

CORRY, L. Paradigms and paradigmatic change in the history of the mathematics. In: AUSEJO, E.; HORMIGON, M. (Eds.). Paradigms and mathematics. Madrid: Siglo Veintiuno de España Editores, 1996. p. 169-192.

CROWE, M. J. Ten “laws” concerning patterns of change in the history of mathematics. Historia Mathematica, v.2, p. 161-166, nov. 1975.

D’AMBROSIO, U. Educação Matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996.

EINSTEIN, A. Geometria e experiência. Tradução de V. A. Bezerra. Scientiae Studia, São Paulo, v.3, n.4, p.665-675, 2005.

EUCLIDES. Os elementos. Tradução de I. Bicudo. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

EVES, H. Introdução à história da matemática. Tradução de Hygino H. Domingues. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1995.

GREENBERG, M. J. Euclidean and non-euclidean geometries: development and history. 3. ed. New York: Freeman, 2001.

HEATH, T. L. The thirteen books of Euclid’s elements: translated from the text of Heiberg with introduction and commentary. Cambridge: Cambridge University Press, 1968.

HOUAISS, A. Houaiss eletrônico. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. CD-ROM.

JAOUICHE, K. La Théorie des parallèles en Pays d’Islam. Paris: VRIM, 1986.

KANT, E. Crítica da razão pura. Tradução de J. Rodrigues de Mereje. São Paulo: Edições e Publicações Brasil, 1958.

KATZ, V. J. A history of mathematics: an introduction. 2. ed. London: Addison-Wesley, 1998.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectivas, 1998.

MARTINS, A. F. P. História e filosofia da ciência no ensino: há muitas pedras nesse caminho... Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 24, n.1, p. 112-131, 2007.

MAYR, E. O desenvolvimento do pensamento biológico: diversidade, evolução e herança. Tradução de Ivo Martinazzo. Brasília: UNB, 1998.

MIGUEL, A.; MIORIM, M. A. História na Educação Matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

NASCIMENTO JUNIOR, A. F. Fragmentos da história das concepções de mundo na construção das ciências da natureza: das certezas medievais às dúvidas pré-modernas. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 277-299, 2003.

NOBRE, S. R. Introdução histórica às geometrias não euclidianas: uma proposta pedagógica. Belém: SBHMt, 2009.

NOBRE, S. R. Leitura crítica da história da matemática: reflexões sobre a História da Matemática. Ciência & Educação, Bauru, v.10, n.3, p.531-543, 2004.

ROSENFELD, B. A. A history of non-euclidean geometry: evolution of the concept of a geometric space. Translated by Abe Shenitzer. New York: Springer-Verlag, 1988.

SILVA, M. D. O declínio da cultura grega e o desenvolvimento da matemática até a idade média: em busca de uma compreensão sociológica. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10., 2010, Salvador. Anais... Ilhéus: Via Litterarum, 2010. 1 CD.

SIU, M. K. “No, I don’t use history of mathematics in my class. Why?”. In: FURINGHETTI, F.; KAIJSER, S.; TZANAKIS, C. (Ed). Proceedings of HPM 2004 & ESU 4. Iraklion, Greece: University of Crete, 2006, p. 268-277.

SMITH, D. E. History of mathematics. New York: Dover Publications, 1958. v.1.

STRUIK, D. J. História concisa das matemáticas. Tradução de J. C. S. Guerreiro. 2. ed. Lisboa: Gradiva, 1992.

TRUDEAU, R. J. The non-euclidean revolution. Boston: Birkhäuser, 1987.

WOLFE, H. E. Introduction to non-euclidean geometry. New York: The Dryden Press, 1945.

Publicado
2016-12-31
Seção
Artigos