A BALESTILHA: UM INSTRUMENTO NÁUTICO COMO RECURSO PARA ABORDAR CONCEITOS MATEMÁTICOS

  • Antonia Naiara de Sousa Batista Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará
  • Ana Carolina Costa Pereira Universidade Estadual do Ceará

Resumo

Dentre as várias possibilidades de unir teoria à prática no ensino de matemática, o estudo de instrumentos históricos surge no intuito de contribuir para o entendimento de uma matemática prática incorporada ao longo da história, oportunizando assim um ensino diferente do tradicional. Assim, em meio aos vários instrumentos inseridos entre os séculos XVI e XVIII, destacamos neste trabalho a Balestilha, um dispositivo náutico, de origem desconhecida, cuja finalidade era mensurar a altura de uma estrela em relação à linha do horizonte, ou distância entre dois astros, sendo essa medida de caráter angular. Logo, o intuito desse artigo é conhecer a percepção dos professores, em formação, sobre a viabilidade do uso da Balestilha para abordagem de conceitos matemáticos na Educação Básica. No primeiro momento, fizemos uso de metodologia qualitativa com aporte bibliográfico, buscando assim, trabalhos que tratassem sobre instrumentos históricos de medida. Em seguida, fizemos um levantamento de todos os instrumentos históricos, mais especificamente, os náuticos, usados entre os séculos XV e XVIII, isto feito, escolhemos apenas um deles para trabalhar de forma mais aprofundada, a Balestilha. No segundo momento, fizemos uso de uma metodologia de estudo de caso, para fundamentar e conduzir o trabalho realizado dentro do Curso de Extensão. A proposta de utilização da Balestilha para abordagem de conceitos matemáticos na sala de aula foi bem acolhida pelos participantes, no intuito de agregar, às suas aulas, práticas diferentes de se ensinar os conhecimentos matemáticos, de maneira a torná-los mais significativos e claros para os estudantes. 

Referências

ALBUQUERQUE, L. Instrumentos de navegação. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1988. p. 10-29.

BARONI, R. L. S.; TEIXEIRA, M. V.; NOBRE, S. R. A investigação científica em história da matemática e suas relações com o programa de pós-graduação em educação matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; BORBA, Marcelo de Carvalho. Educação matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez Editora, 2004. p. 164-185.

D’AMBROSIO, U. História da matemática e educação. In: Cadernos CEDES 40. História e Educação Matemática. 1. ed. Campinas, SP: Papirus, 1996, p.7-17.

FERNANDES, T. C. D.; LONGHINI, M. D. A construção de um antigo instrumento para navegação marítima e seu emprego em aulas de astronomia e matemática. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA, 1., 2011, Rio de Janeiro. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/hcensino/article/download/5485/5770>. Acesso em: 15 set. 2012.

FIORENTIHI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. São Paulo: Autores Associados, 2009.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MIORIM, M. A.; FIORENTINI, D. Uma reflexão sobre o uso de materiais concretos e jogos no Ensino da Matemática. Boletim da SBEM-SP, São Paulo, v. 4, n. 7, p. 5-10, 1990.

MOREY, B.; MENDES, I. A. História da matemática para professores: conhecimentos matemáticos na época das navegações. Natal: Sociedade Brasileira de História da Matemática, 2005.

PIMENTEL, M. Arte de navegar. Lisboa: Officina de Miguel Manescal da Costa, Impressor do Santo Officio, 1762.

PINTO, M. M. Os instrumentos náuticos de navegação e o ensino da geometria. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Matemática, 2010. 80 p.

SAITO, Fumikazu. Instrumentos e o “saber-fazer” matemático no século XVI. Revista Tecnologia e Sociedade, São Paulo, v.9, n. 18, 2013.

Publicado
2017-06-30
Seção
Comunicações Científicas