Reflexões sobre o Ensino de Tabelas de Dupla Entrada a partir do Raciocínio Inferencial Informal

Resumo

A inserção dos conteúdos de Estatística, na disciplina de Matemática, na Educação Básica no Brasil se iniciou em 1997, tendo sido ratificada em 2018 pela Base Nacional Comum Curricular. Entre seus conteúdos tem-se a tabela de dupla entrada, que deve ser ensinada desde o segundo ano do Ensino Fundamental. Esse tipo de tabela traz no seu bojo o teste de hipóteses, de forma informal, sobre possíveis relações entre variáveis categóricas, a partir do exame e escolha da frequência relativa mais adequada, seja por linha, coluna ou total, a depender de qual é a variável dependente ou independente. Explicitar esses elementos permite desenvolver o raciocínio estatístico e elaborar perguntas críticas, na argumentação e apropriação da conjectura em investigação. Visando contribuir com a formação de leitores letrados estatisticamente, este artigo analisa as respostas de 79 estudantes de um curso de licenciatura em Matemática de duas universidades públicas e 17 professores que ensinam Matemática na Educação Básica, na resolução de um teste de hipótese informal a partir de uma tabela de dupla entrada. Como referencial teórico utilizamos o raciocínio inferencial informal proposto por Makar e Rubin. Os resultados indicam que a maioria dos participantes não consegue determinar a frequência relativa mais adequada à tarefa, o que possivelmente inviabilizará uma argumentação consistente baseada nos dados, indicando a necessidade de maior atenção ao raciocínio estatístico subjacente na leitura e construção desse tipo de tabela. Dessa forma, propomos um checklist de perguntas que pode subsidiar o ensino de tabelas de dupla entrada a partir do raciocínio inferencial informal.

Biografia do Autor

Irene Cazorla, Universidade Estadual de Santa Cruz

Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática, da
Universidade Estadual de Santa Cruz – UESC, Ilhéus, Bahia, Brasil. Rua Isolina Guimarães, 130, apto.
102, Zildolândia, Itabuna, BA. CEP 45.600-680. Mestre em Estatística, Doutora em Educação, realiza
pesquisa em Educação Estatística, organizadora do libro “Do Tratamento da Informação ao Letramento
Estatístico”.

Miriam Cardoso Utsumi, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Programa de Pós-graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e
Matemática – PECIM e Programa de Pós-graduação em Educação Escolar, da Universidade Estadual de
Campinas - Unicamp, Campinas, São Paulo, Brasil. Av. Bertrand Russell, 801, Bloco A, sala 12, Cidade
universitária, Campinas, SP. CEP 13065-865. Mestre e Doutora em Educação, realiza pesquisas em
Educação Matemática e Educação Estatística, Líder do Grupo de Pesquisa PSIEM-GEPEMAI. Email:
mutsumi@unicamp.br.

Referências

ARTEAGA, P., BATANERO, C., CAÑADAS G., CONTRERAS, J. M. Las tablas y gráficos estadísticos como objetos culturales. Números, Islas Canárias, 76, p. 55–67, 2011.

BATANERO, C. Didáctica de la Estadística. Espanha: Universidade de Granada, 2001.

BATANERO, C., ESPEPA, A. GODINO, J., GREEN, D. Intuitive strategies and preconceptions about association in contingency tables. Journal for Research in Mathematics Education, v. 27, n. 2, p. 151-169, 1996.

BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. Statistical Literacy, Reasoning, and Thinking: Goals, Definitions, and Challenges. BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Ed.) The Challenge of Developing Statistical Literacy, Reasoning and Thinking... Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 3-15.

BIEHLER, R. On the delicate relation between informal statistical inference and formal statistical inference. In K. Makar (Ed.) Proceedings of the Ninth International Conference on Teaching Statistics. The Hague: ISI, 2014.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: Ministério da Educação e Desporto/ Secretaria de Ensino Fundamental, 1997.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: Ministério da Educação e Desporto/ Secretaria de Ensino Fundamental, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: matemática. Brasília: Ministério da Educação/ Secretaria de Educação Básica, 2002.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 20/08/2020.

BUEHRING, R. S.; GRANDO, R. C. Pesquisas brasileiras em Educação Estatística Na infância: suas contribuições para o campo de investigação e para a prática. Revemat, Florianópolis, v.14, Edição Especial Educação Estatística, p.1-15, 2019.

CAZORLA, I. M.; CASTRO, F. C. Papel da Estatística na leitura do mundo: o letramento estatístico. Publicatio UEPG: Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, Linguística, Letras e Artes, v. 16, n. 1, p. 45-53, 2008.

DEL MAS, R. C. Statistical Literacy, Reasoning, and Learning: A Commentary. Journal of Statistics Education, v. 10, n. 3, 2002, p. 1-10. Disponível em: http://jse.amstat.org/v10n3/delmas_discussion.html. Acesso em: 31/07/2010.

DEL MAS, R. C. A Comparison of Mathematical and Statistical Reasoning. In: BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Ed.) The Challenge of Developing Statistical Literacy, Reasoning and Thinking... Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 79–95.

ESTEVAM, E. J. G.; CYRINO, M. C. da C. T. Educação estatística e a formação de professores de matemática: cenário de pesquisas brasileiras. Zetetiké, Campinas, v. 22, n. 42, p. 123-149, jun/dez. 2014.

FERREIRA, V. L.; PASSOS L. F. A disciplina estatística no curso de pedagogia da USP: uma abordagem histórica. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 2, p. 461-476, abr/jun. 2015.

GAL, I. Adults Statistical Literacy: meanings, components, responsibilities. International Statistical Review, v. 70, n. 1, p. 1-25, 2002.

GONÇALVES, H. J. L. Educação Estatística: Apontamentos sobre a Estatística nos cursos de Pedagogia - Magistério para séries iniciais do ensino fundamental. Anais do IX Seminário IASI de Estatística Aplicada. Rio de Janeiro: IMPA, 2003.

GONÇALVES, H. J. L. A Educação Estatística no Ensino Fundamental: Discussões sobre a Práxis de Professoras que Ensinam Matemática no Interior de Goiás. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, 2005.

GUIMARÃES, G.; GITIRANA, V. MARQUES, M.; CAVALCANTI, M. A Educação Estatística na educação infantil e nos anos iniciais. Zetetiké, Campinas, v. 17, n. 32, p. 11-28, jul/dez. 2009.

JONES, G. A.; LANGRALL, C. W.; MOONEY, E. S.; THORNTON, C. A. Models of development in statistical reasoning. In: BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Ed.) The Challenge of Developing Statistical Literacy, Reasoning and Thinking... Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 97-117.

KONOLD, C.; POLLATSEK, A.; WELL, A.; GAGNON, A. Students Analyzing Data: Research of Critical Barriers. IN: GARFIELD, J.; BURRILL, G. Research on the Role of Technology in Teaching and Learning Statistics. Proceedings of the 1996 IASE Round Table Conference, University of Granada, Spain, 23-27 July, 1996.

MAKAR. K.; RUBIN, A. A framework for thinking about informal Statistical inference. Statistics Education Research Journal, v. 8, n. 1, p. 82-105, 2009. Disponível em: http://www.stat.auckland.ac.nz/serj. Acesso em: 30/07/2020.

MANFREDO, E.; GONÇALVES, T.; LEVY, L. Formação estatística de professores que ensinam matemática nos anos iniciais da Educação Básica. Anais da XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática, Recife, Brasil, 2011.

PFANNKUCH, M.; WILD, C. Towards an Understanding of Statistical Thinking. BEN-ZVI, D.; GARFIELD, J. (Ed.) The Challenge of Developing Statistical Literacy, Reasoning and Thinking. Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2004. p. 17–46.

RODRIGUES, M. U.; SILVA, L. D. Disciplina de Estatística na matriz curricular dos cursos de Licenciatura em Matemática no Brasil. Revemat, Florianópolis, v.14, Edição Especial Educação Estatística, p.1-21, 2019.

SCHEEREN, V.; JUNQUEIRA, S. M. S. Educação Matemática Crítica e espaços democráticos de formação: aproximações e desafios em um contexto de escola do campo. Hipátia: Revista Brasileira de História, Educação e Matemática, v. 5, n. 1, p. 106-119, jun.2020. Disponível em: https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/hipatia/article/view/1450/987. Acesso em 30/07/2020.

SILVA, M. A. A Presença da Estatística e da Probabilidade no Currículo Prescrito de Cursos de Licenciatura em Matemática: uma análise do possível descompasso entre as orientações curriculares para a Educação Básica e a formação inicial do professor de Matemática. Bolema, Rio Claro, v. 24, n. 40, p. 747-764, 2011.

SANTOS, D. M. N. Análise de livros didáticos conforme as considerações do Programa Nacional do Livro Didático: estatística e probabilidade. 2016. 145 f. Dissertação (Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/5217. Acesso em: 20/07/2020.

SANTOS, R. M.; BRANCHES, M. V. Problemas identificados em gráficos estatísticos publicados nos meios de comunicação. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, [S.l.], v. 15, n. 33, p. 201-218, jun. 2019. Disponível em: https://www.periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/6257. Acesso em: 29/07/2020.

TEIXEIRA, P. J. M. Os PCN e o bloco Tratamento da Informação: algumas possibilidades teórico-metodológicas para a sala de aula da Educação Básica. Remat, Caxias do Sul, v. 2, n. 2, p. 72-91, 2016. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/1533/1310. Acesso em: 29/07/2020.

VIALI, L. The teaching of statistics and probability in mathematics undergraduate courses. In C. Reading (Ed.) Proceedings of the Eighth International Conference on Teaching Statistics (ICOTS-8), Ljubljana, Slovenia. Voorburg. The Netherlands: International Statistical Institute, 2010.

VIALI, L.; CURY, H. N. Professores de matemática em formação continuada: uma análise de erros em conteúdos de Probabilidade. EM TEIA - Revista de Educação Matemática e Tecnológica Ibero-americana, v.1, n. 1, p. 1-23, 2011.

VEAUX, R. D.; COLLEMAN, W.; VELLEMAN, P. F. Math is Music; Statistics is Literature – or Why are there no six year old Novelists, 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/280114347_Math_is_Music_Statistics_is_Literature. Acesso em: 30/08/2020.

WALLMAN, K. K. Enhancing statistical literacy: enriching our society. Journal of the American Statistical Association, v. 88, n. 421, p. 1-8, mar.1993.

WILD, C. J.; PFANNKUCH, M. Statistical thinking in empirical enquiry. International Statistical Review, v. 67, p. 223-265, 1999.

Publicado
2020-12-31
Seção
Artigos