Onde Aprendemos a Viver o Gênero?

nas aulas de matemática!

  • Vanessa Neto UFMS

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de apresentar os resultados de duas pesquisas que expõem as narrativas acerca das maneiras possíveis de se viver o gênero atualmente no Brasil. A primeira pesquisa traz resultados de uma investigação a partir de Livros Didáticos de Matemática produzidos para a Educação do Campo. Esta pesquisa apresenta resultados de uma divisão sexual do trabalho e das funções generificadas atribuídas aos indivíduos que habitam o campo. A segunda investigação busca descrever os discursos que as pesquisas em Educação Matemática no Brasil têm desenvolvido sobre a temática de gênero. Os resultados desse empreendimento mostram que ambas as pesquisas investem na temática de gênero, desenhando o que está sendo tratado no âmbito da Educação Matemática. Por mais que os resultados pareçam ser contraditórios, o que há é uma construção sistemática do discurso sobre as relações entre gênero e matemática atravessadas por problematizações deste tempo.

Referências

BANCO MUNDIAL. The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank. Disponível em: <https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/politicas-para-mulheres/arquivo/assuntos/conselho/relatorio-sobre-desenvolvimento-mundial-2012-2013-201cigualdade-de-genero-e-desenvolvimento/view> Acesso em 28 de jul. 2020, 2012.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BUTLER, J. Deshacer el gênero. Barcelona: Paidos, 2006.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

FEDERICI, S. Mulheres e a caça as bruxas: da Idade Média aos dias atuais. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

FOUCAULT, M. A Arqueologia do Saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2008.

FOUCAULT, M. Ditos e Escritos IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

GOMES, L. B. et al. Alfabetização Matemática e Ciências – 2º Ano. Coleção Campo Aberto. São Paulo: Global Editora, 2014a.

GOMES, L. B. et al. Alfabetização Matemática e Ciências – 3º Ano. Coleção Campo Aberto. São Paulo: Global Editora, 2014b.

HILLESHEIM, B. Trabalho doméstico: “O serviço de sempre”. In: STREY, Marlene Neves; CABEDA, Sonia T. Lisboa; PREHN, Denise Rodrigues. Gênero e Cultura: Questões Contemporâneas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

LEDER, G. Mathematics and gender: Changing perspectives. In D. A. Grouws (Ed.), Handbook of research on mathematics teaching and learning (pp. 597–622). New York: Macmillan, 1992.

MEAD, M. Macho e fêmea. Editora Vozes. 1971.

NETO, V. F. Quando aprendo matemática, também aprendo a viver no campo? Mapeando subjetividades. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Pró-Reitoria de Pós-Graduação (PRPG), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Campo Grande, 2019.

NETO, V. F.; GUIDA, A. M. A Constituição do Sujeito-mãe nos Livros Didáticos de Matemática da Educação do Campo. Educação, v. 45, Publicação contínua, 2020.

NETO, V. F.; VALERO, P. A (In)equidade de Gênero em Educação Matemática: Pesquisando as Pesquisas. (Org.) GONÇALVES, H. J. L. Educação Matemática e Diversidade (s). Porto Alegre – RS: Editora Fi, 2020.

PAIS, A.; VALERO, P. Researching research: mathematics education in the Political. Educational Studies in Mathematics, 80(1), 9-24, 2012.

RIBEIRO, D. Lugar de fala. São Paulo, Polén, 2019.

ROMITO, P. Trabalho, maternidade e saúdes das mulheres: algumas notas metodológicas. In: OLIVEIRA, Eleonora Menicucci; SCAVONE, Lucila (Orgs.). Trabalho, saúde e gênero na era da globalização. Goiânia: AB, 1997.

SACHS, L. Potencialidade do Inventário da Realidade para Escolas do Campo em Áreas de Reforma Agrária. Hipátia - Revista Brasileira de História, Educação e Matemática, v. 4, p. 38-47, 2019.

UNESCO. Eliminating gender bias in textbooks: Pushing for policy reforms that promote gender equity in education. Education for All Global Monitoring Report. Organização das Nações Unidas. Paris, 2015.

UNESCO. Descifrar el códico: la educación de las niñas y mujeres en las ciencias, tecnología, ingeniería y matemáticas (STEM). Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencias y la Cultura, París, 2019.

URSINI, S.; RAMÍREZ MERCADO, M. Equidad, género y matemáticas en la escuela mexicana. Revista Colombiana de Educación, (73), 213.234, 2017.

VALERO, P. Human Capitals: School Mathematics and the Making of the Homus Oeconomicus. Journal of Urban Mathematics Education, v. 11, 2018.

Publicado
2021-06-28
Seção
Artigos