Os Conhecimentos Matemáticos Envolvidos na Fabricação do Polvilho na Comunidade Santa Maria, Rio Pardo de Minas/MG

  • Aline Antunes de Sá
  • Daniel Fernando Bovolenta Ovigli Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Resumo

Contextualizado na Etnomatemática, este trabalho teve como objetivo sistematizar as matemáticas envolvidas na produção de polvilho na Comunidade Santa Maria, Rio Pardo de Minas/MG. Trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa, para a qual foram desenvolvidas entrevistas semiestruturadas tendo em vista compreender o objeto de pesquisa, além de registros fotográficos que subsidiaram o entendimento das etapas do processo de produção. Identificamos que os agricultores discutem sobre a realidade na qual vivem e acerca dos saberes matemáticos por eles apropriados ao longo da vida e que têm forte impacto na fabricação do polvilho. Os resultados também evidenciam que, mesmo sem escolaridade, conseguem resolver problemas matemáticos com os quais lidam diariamente na produção do polvilho, e utilizam estes conceitos matemáticos em seu dia a dia, passando-os geração após geração.

Referências

BANDEIRA, F. A. Pedagogia etnomatemática: reflexões e ações pedagógicas em matemática do ensino fundamental. Natal, RN: EDUFRN, 2016.

BRITO, D. R.; MATTOS, J. R. L. Saberes matemáticos de agricultores. In: MATTOS, J.R.L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba: Editora CRV, 2016. 166 p.

BRITO, M. L. B. Etnomatemática: a matemática escolar e o saber popular em ação no campo. In: MATTOS, J. R. L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba: Editora CRV, 2016. 166 p.

D`AMBROSIO, U. Prefácio. In: BORBA, M. de C.; ARAÚJO, J. de L. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em educação matemática. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

D`AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre tradições e a modernidade. 4. ed. Belo

Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

D´AMBROSIO, U. O programa etnomatemática e a crise da civilização. HIPÁTIA - Revista Brasileira de História, Educação e Matemática. v. 4, n. 1, p. 16-25, jun. 2019. Disponível em <https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/hipatia/article/view/1087/803>. Acesso em 10 jan. 2020.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educ. rev., Curitiba, n. 24, p. 213-225, Dez. 2004.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Área Territorial Oficial. Consulta por Unidade da Federação. Disponível em <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/areaterritorial/principal.shtm >. Acesso em 09 jun. 2019.

MATOS, S. L. B; MATTOS, J. R. L. O conhecimento matemático de trabalhadores rurais. In: MATTOS, J. R. L. (Org.). Etnomatemática: saberes do campo. Curitiba: Editora CRV, 2016. 166 p.

ROSA, M; OREY, D. C. Etnomodelagem: uma relação dialógica entre a etnomatemática e a modelagem. In: Francisco de Assis Bandeira; Paulo Gonçalo Faria Gonçalves. (Org.). Etnomatemáticas pelo Brasil: aspectos teóricos, ticas de matema e práticas escolares. 1ed.Curitiba, PR: Editora CRV, 2016, p. 40-55.

SOUZA, J. R. Terras Geraizeiras em disputa: os processos de autoafirmação identitária e retomada territorial de comunidades tradicionais de Rio Pardo de Minas frente à concentração fundiária. 228 p. (Dissertação - Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a povos e terras tradicionais). Brasília: Universidade de Brasília, 2017.

SOUZA, R. B. Programa etnomatemática: análise de práticas pedagógicas de ensino de matemática no contexto de educação matemática. Anais... São Paulo, Julho. 2016. p. 1-12.

VICTORIANO, Celso F. C. Manaã: Etnomatemática e o saber cultural do pantaneiro construtor de canoas. Curitiba, PR: CRV, 2013.

YIN, R. Como iniciar um estudo investigativo. In: YIN, R. Pesquisa Qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Editora Penso, 2016. Cap. 3. p. 41-42.

Publicado
2020-12-31
Seção
Iniciação Científica