Rupturas em Limites de Estruturas Matemáticas da Música Ocidental

  • Chrisley Bruno Ribeiro Camargos Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)
  • Ademir Donizeti Caldeira Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR_

Resumo

O objetivo deste trabalho foi descrever como o desenvolvimento racional da matemática veio influenciando a música em momentos no decorrer da história e, de certa forma, impondo limites racionais às formas musicais ocidentais eurocêntricas praticadas até o início do século XX. Para refletir sobre as influências matemáticas na música, recorreu-se a uma abordagem qualitativa por meio da análise bibliográfica de temas, como a escrita musical, o desenvolvimento de sistemas de afinação e a evolução do sistema tonal, tratando especificamente da partitura de notação e do chamado temperamento igual. A partir disso, ponderou-se sobre como a música contemporânea vem sendo influenciada tecnológica e culturalmente por outras vertentes, muitas vezes adversas ao sistema racional temperado. Essa reflexão envolveu alguns elementos da filosofia de Wittgenstein e de ideias foucaultianas, nas quais a crítica se fundamenta na análise dos limites e na reflexão sobre eles. Dessa forma, a discussão transcorreu sobre o modo como as formas musicais contemporâneas puderam transbordar os limites impostos pela racionalidade musical, fortemente influenciada pela linguagem matemática.

Biografia do Autor

Chrisley Bruno Ribeiro Camargos, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG)

Doutor em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Formiga, MG, Brasil. Endereço eletrônico: chrisley.camargos@ifmg.edu.br.

Ademir Donizeti Caldeira, Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR_

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, Brasil. Endereço eletrônico: mirocaldeira@gmail.com. 

Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos