Uma Experiência “Pibidiana” de Resolução de Problemas do Pisa nas Aulas de Matemática

  • Fábio Alexandre Borges Universidade Estadual do Paraná http://orcid.org/0000-0003-0337-6807
  • Tailine Audilia de Santi Unesp - Rio Claro Unespar - Campo Mourão
  • Caio Juvanelli Unespar - Campo Mourão
  • Vinícius Oliveira Romano da Silva Unespar - Campo Mourão

Resumo

Um problema é uma situação na qual os estudantes não têm métodos estabelecidos para chegar a uma resposta correta. Baseado nisso, surge a estratégia de ensino através da resolução de problemas, a qual entende a possibilidade de se ensinar e aprender matemática por meio de tais atividades. No caso do presente relato, faremos uma análise baseada na aplicação de uma atividade adaptada do Programme for International Student Assessment  (PISA) 2000, intitulada “Maçãs”. Dentre os referenciais teóricos adotados, destacamos o de Onuchic e Allevatto (2009; 2001; 2014), cujas etapas propostas pelas autoras foram adotadas durante a aplicação em uma turma de 9º ano do Ensino Fundamental de um colégio público do interior do Estado do Paraná. Esta atividade faz parte de um projeto maior, desenvolvido junto ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) em um curso de Licenciatura em Matemática. Dos cinco grupos formados para a resolução das atividades, totalizando 26 alunos, todos participaram das discussões e da plenária, contribuindo para a resolução de forma que houve diversidade na escolha de estratégias matemáticas.

Biografia do Autor

Fábio Alexandre Borges, Universidade Estadual do Paraná
Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2002), Mestrado pelo Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciência e a Matemática (2006) da Universidade Estadual de Maringá e Doutorado pelo mesmo Programa (2013). Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Educação Matemática Inclusiva, atuando principalmente com a temática surdez. Editor da Revista Paranaense de Educação Matemática. Docente da Universidade Estadual do Paraná-Campus de Campo Mourão, bem como do Mestrado em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar (PPIFOR) - Campus de Paranavaí. Docente do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual do Paraná, campus de Campo Mourão. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Surdez e Educação Matemática. Membro co-fundador do GT13 da Sociedade Brasileira de Educação Matemática: Diferença, Inclusão e Educação Matemática. Atualmente, realiza estágio pós-doutoral na Universidade Estadual de Londrina, pelo Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática
Caio Juvanelli, Unespar - Campo Mourão

Graduando em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual do Paraná, Campo Mourão, Paraná, Brasil. Projeto financiado pela CAPES. E-mail: caio.juvanelli@hotmail.com

Vinícius Oliveira Romano da Silva, Unespar - Campo Mourão
Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual do Paraná, Campo Mourão, Paraná, Brasil. Projeto financiado pela CAPES. E-mail: vinyromano12@gmail.com.

Referências

ALLEVATO, N.S.G., ONUCHIC, L. R. Ensinando matemática na sala de aula através da resolução de problemas. São Paulo, 19 p. sd.

ALLEVATO, N. S. G.; ONUCHIC, L. R. Ensinando Matemática na Sala de Aula através da Resolução de Problemas. Boletim GEPEM, Rio de Janeiro, Ano XXXIII, n.55, p.1-19, jul./dez. 2009.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 142p.

BRASIL. Ministério da Educação e Desporto, Secretária de Educação Fundamental. “Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) Matemática – Terceiro e Quarto ciclo do Ensino Fundamental” – Brasilia, 1998

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/Semtec, 1999.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. PISA 2000: relatório nacional. Brasília, 2001. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/internacional-novo-pisa-resultados>. Acesso em 15 dez 2017.

BROUSSEAU, G. Fondements et Méthodes de La Didactique des Mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, 7 (2), 1986, p. 16-33.

BROUSSEAU, G. Le Contrat didactique: Le Mileu. In: Recherches en Didactique des Mathematiques, nº 9 (3), p. 309-336. 1988.

D’AMBROSIO, B.S. A Evolução da Resolução de Problemas no Currículo Matemático. Miami University: Ohio, EUA. 2009. 7 p.

DEWEY, J. (1933). How we think: A Restatement of the Relation of Reflective Thinking to the Educative Process. Boston: D.D. Heath & Company.

KRULIK, S. Y., RUDNICK, J. A. Problem-Driven Math: Applying the Mathematics Beyond Solutions. C hicago, IL: Wright Group/ McGrawHill, 2005.

LUCKESI, C.C. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 12. Ed. São Paulo: Cortez, 2002.

MEDEIROS, K.M. O Contrato Didático E A Resolução De Problemas Matemáticos Em Sala De Aula. Educação Matemática Em Revista. SBEM N º9/10, Abril, 2001.

NCTM. National Council of Teachers of Mathematics. Principles and Standards for School Mathematics. Reston: Library of Congress Cataloguing, 2000.

ONUCHIC, L R.; ALLEVATO, N. S. G. Novas reflexões sobre o ensino-aprendizagem de matemática através da resolução de problemas. In: BICUDO, M. A. V.; BORBA, M. C. (Orgs). Educação Matemática - pesquisa em movimento. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005. p.213-231.

ONUCHIC, L. R.; ALLEVATO, N. S. G.; NOGUTI, F. C. H.; JUSTULIN, A. M. (Orgs.). Resolução de Problemas: Teoria e Prática. Paco Editorial. Jundiaí. 2014.

ONUCHIC, L.R., ALLEVATO, N.S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. Bolema, Rio Claro (SP), v. 25, n. 41, p. 73-98, 2011.

ONUCHIC, L.R. Ensino-Aprendizagem de Matemática através da resolução de problemas. In: Bicudo, Maria Aparecida Viggiani (org). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectiva. São Paulo, SP: Editora UNESP, 1999, p. 199-220.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. DCE - Diretrizes Curriculares da Rede Pública de Educação Básica do Estado do Paraná – Disciplina de Matemática e EJA - Curitiba: SEED/2006.

POLYA, G. A Arte de resolver Problemas. Editora Interciência, Rio de Janeiro, 2006.

RADFORD, L. Some reflections on teaching algebra through generalization. In: BEDNARZ, N.; KIERAN, C.; LEE, L. (Eds.). Approaches to Algebra. Dordrecht, The Nederlands: Kluwer, 1996. p. 107-111.

SCHASTAI, M.B, PEDROSO, S.M.D. A Resolução De Problemas Ainda É Um Problema? 2009. s.l.

SHIMIZU, Y. Problem Solving as a Vehicle for Teaching Mathematics: A Japanese

Perspective, en Lester, Jr, F. K. (Ed.): Teaching Mathematics through Problem Solving.

Prekindergarten Grade 6, 205-214. Reston, VA: The National Council of Teachers of Mathematics, Inc. 2003.

VAN DE WALLE, J. A. . Matemática no ensino fundamental: formação de professores e aplicação em sala de aula. Tradução de Paulo Henrique Colonese. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009. WU, H. Fractions, decimals, and rational numbers.

VAN DE WALLE, J. A. Elementary and Middle School Mathematics. New York:, 4ª edição, Logman, 2001.

VAN DE WALLE, J. A; LOVIN, H. L. Teaching Student-Centered Mathematics. New York: Pearson, 2006.

ZANIN, Alda de Cássia. MC 05 Estatística e Problemas de Contagem no Ensino Fundamental. /Disponível em:<http://www.ime.unicamp.br/erpm2005/anais/m_cur/mc05.pdf>. Acesso em 05/12/2017.

Publicado
2021-05-11
Seção
Relatos de Experiência