Ensaios sobre Compreensões em Matemática em Perspectivas de Resolução de Problemas

uma análise percussiva de atividades ao zapeamento

Resumo

Considerando diversos modos e diversificados elementos que compõem práticas de Resolução de Problemas, este trabalho vem dedicar-se a analisar alguns pressupostos que são engendrados e mobilizados nessas práticas e, objetiva-se, através de um estudo analítico do discurso, evidenciar discursos que permeiam e são permeados, potencializam e são potencializados pelo funcionamento de práticas, teorias, teorizações e outros discursos sobre a Resolução de Problemas, além de suas aproximações e distanciamentos. Assim, procedeu-se à análise do discurso pautada pela arqueogenealogia em Michel Foucault para articulação desta composição discursiva. A Resolução de Problemas, então, vem a encaixar-se em diversos cenários e em muitas perspectivas, desde uma metodologia a uma filosofia, além de poder aliar elementos essenciais aos acontecimentos do cenário escolar, como ensino e aprendizagem, mas também funcionar como um agenciamento de um em outro. Nessa esteira, torna-se interessante olhar outros elementos para poder diferenciá-las ou aproximá-las, em termos de práticas, visando a transformação do território e dos atores que a praticam.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Leal Junior, Instituto Federal de São Paulo (IFSP)

Doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Docente do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Sertãozinho, SP, Brasil. Endereço eletrônico: luizleal@ifsp.edu.br.

 
Lourdes de la Rosa Onuchic, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutora em Matemática pela Universidade de São Paulo (USP). Docente da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro, SP, Brasil. Endereço eletrônico: lronuchic@gmail.com.

Referências

ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. Dizionario di filosofia. São Paulo: Martins Fontes: 1026 p. 2007.

AGUAYO, A. M. Didáctica da Escola Nova. São Paulo: Cia. Editora nacional, 1970.

ALLEVATO, N. S. G.; AUTOR 2. Ensino-Aprendizagem-Avaliação: por que através de Resolução de Problemas? In: AUTOR 2 et al. (Org.). Resolução de Problemas: Teoria e prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2014. p. 35-52.

ALLEVATO, N. S. G.; JAHN, A. P.; AUTOR 2 O Computador no Ensino e Aprendizagem de Matemática: reflexões sob a Perspectiva da Resolução de Problemas. In: AUTOR 2; AUTOR 1; PIRONEL, M. (Org.). Perspectivas para Resolução de Problemas. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2017.

BRUDER, R. Akzentuierte Aufgaben und heuristische Erfahrungen. In: HERGET, W.; FLADE, L. (Org.). Mathematik lehren und lernen nach TIMSS. Berlin: Volk und Wissen, 2000. v.Anregungen für die Sekundarstufen p. 69-78.

______. Ein aufgabenbasiertes anwendungsorientiertes Konzept für einen nachhaltigen Mathematikunterricht—am Beispiel des Themas “Mittelwerte”. In: KAISER, G.; HENN, H. W. (Org.). Mathematikunterricht im Spannungsfeld von Evolution und Evaluation. Berlin: Franzbecker, 2005. p. 241-250.

______. Role of Heuristics for Problem Solving. In: LILJEDAHL, P. et al. (Org.). Problem Solving in Mathematics Education. 13 International Congress of Mathematics Education – Topic Surveys. Hamburgo: Springer Open, 2016. p. 2-6.

BRODIE, L. Thinking Forth: A language and philosophy for Problem Soçving. Prentice Hall, 2004. 313 p.

BRUDER, R.; COLLET, C. Problemlösen lernen im Mathematikunterricht. Berlin: CornelsenVerlag Scriptor, 2011.

CARRILLO YANES, J. Resolución y Formulación de Problemas. REnCiMa, v. 9, n. 1, p. 158-169, 2018.

COCCHIERI, T.; MORAES, J. A. Uma perspectiva pragmática da lógica da descoberta e da criatividade. COGNITIO-ESTUDOS: Revista Eletrônica de Filosofia, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 8-14, Jul. 2009.

COLLET, C.; BRUDER, R. Proceedings of the Joint Meeting of PME 32 and PME-NA XXX. In: FIGUERAS, O. et al. (Org.). Proceedings of the Joint Meeting of PME 32 and PME-NA XXX, 2008. v.2 p. 353-360.

CSÍKSZENTMIHÁLYI, M. Creativity: Flow and the psychology of discovery and invention. Nova Iorque: Harper Perennial, 1996.

D'AMORE, B. Elementos de Didática da Matemática. São Paulo: Livraria da Física, 2007.

DEWEY, J. A Filosofia em Reconstrução. São Paulo: Cia. editora nacional, 1958.

______. Como pensamos: como se relaciona o pensamento reflexivo com o processo educativo. 4. ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1959.

______. Experiência e educação. São Paulo: Ed. Nacional, 1971.

______. A arte como experiência: Col. Os pensadores. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1985.

______. Experience, knowledge, and value: A rejoinder. In: BOYDSTON, J. A. (Org.). John Dewey: The later works, 1939–1941. Carbondale: SIU Press, 1991. v.14 p. 3-90.

______. Logic: The theory of inquiry. In: BOYDSTON, J. A. (Org.). John Dewey: The Later Works, 1925–1953. Carbondale: SIU Press, 1991a. v.12 p. 1-5.

DIAS, A. R. O ensino e a aprendizagem do conceito de função através da resolução de problemas: um estudo para desenvolver noções básicas inerentes ao conceito em classes do ensino fundamental. 2015. 195 f. (MESTRADO)–Departamento de Matemática, UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO, OURO PRETO, 2015.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. A Ordem do Discurso. 24. ed. São Paulo: Loyola Ed., 2014. 78 p.

______. Arqueologia do Saber. 8. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária Ed., 2015.

HADAMARD, J. A Psicologia da Invenção Matemática. Rio de Janeiro: Ed. Contraponto, 2009. 168 p.

HENNINGSEN, M.; STEIN, M. K. Mathematical tasks and student cognition: Classroom-based factors that support and inhibit high-level mathematical thinking and reasoning. Journal for Research in Mathematics Education, v. 28, n. 5, p. 524-549, 1997.

HESS, K. Exploring cognitive demand in instruction and assessment. 2006.

HOYLES, C.; LAGRANGE, J. B. Mathematics education and technology–Rethinking the terrain. The 17th ICMI Study. NY: Springer.: The 17th ICMI Study. Nova Iorque: Springer, 2010.

KILPATRICK, J. Reformulando: Abordando a Resolução de Problemas Matemáticos como Investigação. In: AUTOR 2; AUTOR 1; PIRONEL, M. (Org.). Perspectivas para Resolução de 328 Problemas. São Paulo: Livraria da Física, 2017. cap. 6, p. 163-188.

LALANDA, M. C.; ABRANTES, M. M. O conceito de reflexão em J. Dewey. In: ALARCÃO, I. (Org.). Formação reflexiva de Professores. Estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 1996.

AUTOR 1. Tessitura sobre discursos acerca de Resolução de Problemas e seus pressupostos filosóficos em Educação Matemática: cosi è, se vi pare. Tese (doutorado). UNESP – Rio Claro. 2018, 352f.

AUTOR 1; MISKULIN, R. G. S. Perspectivas de Resolução de Problemas por meio de Articulações entre Teoria, Prática e Conceitos sobre Comunidade de Prática. In: AUTOR 2; AUTOR 1; PIRONEL, M. (Org.). Perspectivas para Resolução de Problemas. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2017. cap. 11, p. 305-353.

AUTOR 1; AUTOR 2. Ensino e Aprendizagem de Matemática Através da Resolução de Problemas Como Prática Sociointeracionista. Bolema: Boletim de Educação Matemática, v. 29, n. 53, p. 955-978, DEZ. 2015. 2015. Disponível em: <http://www.redalyc.org/html/2912/291243162010/>.

AUTOR 1; PINHEIRO, J. M. L. Modos de compreender a Soma de Riemann e suas aplicações ao estar em um ambiente informatizado de aprendizagem. Unión: Revista Iberoamericana de Educación Matemática, Espanha, v. 47, p. 23-43, Set. 2016.

LESTER, F. K.; GAROFALO, J.; L., K. D. The Role of Metacognition in Mathematical Problem Solving: A Study of Two Grade Seven Classes: MATHEMATICS EDUCATION DEVELOPMENT CENTER School of Education, Indiana University, Bloomington. Indiana: Indiana university, v. Final Report, 1989.

LILJEDAHL, P. et al. (Org.). Problem Solving in Mathematics Education. 13 International Congress of Mathematics Education – Topic Surveys. Hamburgo: Springer Open, 2016.

LILJEDAHL, P. Creative Problem Solving. In: LILJEDAHL, P. et al. (Org.). Problem Solving in Mathematics Education. 13 International Congress of Mathematics Education – Topic Surveys. Hamburgo: Springer Open, 2016. p. 6-19.

LILJEDAHL, P.; ALLAN, D. Mathematical discovery. In: CARAYANNIS, E. (Org.). Encyclopedia of creativity, invention, innovation, and entrepreneurship. Nova Iorque: Springer, 2014.

MACHADO, E. S. Modelagem matemática e resolução de problemas. 2006. 140 f. (Mestrado)– Faculdade de Física, PUC/ RS, Porto Alegre, 2006.

MASON, J.; BURTON, L.; STACEY, K. Thinking mathematically. Harlow: Pearson Prentice Hall, 1982.

AUTOR 2; ALLEVATO, N. S. G. Pesquisa em Resolução de Problemas: caminhos, avanços e novas perspectivas. BOLEMA - Boletim de Educação Matemática, v. 25, n. 41, p. 26, 2011.

AUTOR 2; AUTOR 1. A Influência da Leitura na Resolução de Problemas: Questões de sentidos, significados, interesses e motivações. REMATEC - Revista de Matemática, Ensino e Cultura, v. 11, n. 21, p. 23, SET. 2016. 2016.

PALANGANA, I. C. Desenvolvimento e Aprendizagem em Piaget e Vygotsky: A relevância do social. São Paulo: Editora Plexus, 1994. 160 p.

POINCARÉ, H. Science and method. Dover Publications Inc.: Nova Iorque, 1952.

______. O valor da Ciência. Rio de Janeiro: Contraponto Ed., 1995. 180 p.

POLYA, G. How to solve it: A new aspect of mathematical method. Princeton: Princeton University Press, 1945.

POPKEWITZ, T. S. Reforma educacional: uma política sociológica: Poder e conhecimento em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

RESNICK, L.; GLASER, R. Problem solving and intelligence. In: RESNIK, L. B. (Org.). The nature of intelligence. Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates, 1976. p. 230-295.

SCHOENFELD, A. H. Research methods in (mathematics) education. In: ENGLISH, L. D. (Org.). Handbook of International Research in Mathematics Education. 2. ed. New York: Routledge: Taylor & Francis Group, 2010. cap. 19, p. 467-520.

______. What Makes for Powerful Classrooms, and How Can We Support Teachers in Creating Them? A Story of Research and Practice, Productively Intertwined. Educational Researchers, v. 43, n. 8, p. 404-412, 2014.

SCHOENFELD, A. H.; (TRU), T. F. R. U. P. An Introduction to the Teaching for Robust Understanding (TRU) Framework. Berkley: CA: Graduate School of Education, 2016.

SCHOENFELD, A. H.; KILPATRICK, J. A US perspective on the implementation of inquiry-based learning in mathematics. ZDM Mathematics Education, Springer online, v. 45, n. 6, p. 901-909, 2013.

SOUSA, B. N. P. A.; ALMEIDA, L. M. W. Mathematical thinking in mathematical modelling activities. Acta Scientiae, Canoas, v. 19, n. 5, p. 709-724, set-out. 2017.

SOUZA, M. C. R. F.; FONSECA, M. C. F. R. Relações de gênero, Educação Matemática e Discurso: Enunciados sobre mulheres, homens e matemática: Tendências em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010. 159 p.

STANIC, G. M. A.; KILPATRICK, J. Historical perpectives on problem solving mathematics curricula. In: CHARLES, R.; SILVER, E. A. (Org.). The Teaching and Assessment of Mathematical Problem Solving. Reston: Lawrence Erlbaum, 1989.

STEIN, M. K.; SMITH, M. S. Mathematical tasks as a framework for reflection. Mathematics Teaching in the Middle School, v. 3, p. 268-275, 1998.

VEIGA-NETO, A. Foucault & Educação. 3. ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2011. 159 p.

WEBB, N. Research Monograph Number 6: Criteria for alignment of expectations and assessments on mathematics and science education. Washington: CCSSO, 1997.

______. Depth-of-Knowledge Levels for Four Content Areas. 2002.

WIKLER, D. Philosophy as Problem-Solving. American Behavioral Scientist, v. 18, n. 2, p. 250- 260, Nov.-Dez. 1974.

Publicado
2019-12-30
Seção
Artigos