MEDIAÇÃO POPULAR E ORIENTAÇÃO SOBRE DIREITOS NA PERIFERIA DE FEIRA DE SANTANA-BA: UM PLANO NA ROTA DA EMANCIPAÇÃO CIDADÃ E DA GARANTIA DO ACESSO À JUSTIÇA

  • Douglas Silva Navarro Universidade Estadual de Feira de Santana
  • Vanessa Mascarenhas Lima Universidade Estadual de Feira de Santana

Resumo

este trabalho busca entender como o projeto extensionista Mediação Popular e Orientação Sobre Direitos, focalizados os esforços desenvolvidos no ano de 2017, trilhando o caminho da mediação popular, pode servir como instrumento eficaz na busca do fundamental acesso à justiça material e da construção de pilares emancipatórios, atendendo à população de baixa renda do Bairro Irmã Dulce e derredores, em Feira de Santana-BA, a partir da concepção de mediação popular como processo transversal e multidisciplinar, fortalecedor do empoderamento dos setores vulneráveis, através do investimento nas formas de diálogo e no combate às desigualdades existentes.

Biografia do Autor

Vanessa Mascarenhas Lima, Universidade Estadual de Feira de Santana
Mestre em Gestão de Políticas Públicas e Segurança Social pela UFRBProfessora substituta do curso de Direito da UEFSCoordenadora do Núcleo de Pesquisa do Curso de Direito da UEFSCoordenadora do Projeto de Extensão Mediação Popular e orientações sobre direitosOAB/BA 45.979

Referências

BEZERRA, Tássio Túlio Braz. A mediação e a construção da cidadania: uma análise da experiência do Juspopuli em Feira de Santana-Ba.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

CAPPI. Ricardo. Mediação e prevenção da violência. In: VELOSO. Marília Lomanto; AMORIM. Simone; LEONELLI. Vera (Org.). Mediação Popular: uma alternativa para a construção da justiça. 1. ed. Salvador: 2009, p.27-35.

GRUNWALD, Astried Brettas. A mediação como forma efetiva de pacificação social no Estado Democrático de Direito. Jus Navigandi, Teresina, ano 8, n. 289, 22 abr. 2004.

Publicado
2019-05-06